Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

A parábola de Pinóquio: A importância da verdade na transformação das marionetes manipuláveis em indivíduos livres

Gepeto, o marceneiro, disse : “O que eu quero nesse mundo, acima de tudo, é que a minha criação se torne um genuíno indivíduo”


Entrevista Jordan Peterson – Legendada

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

A Escola Austríaca - Mercado e criatividade empresarial por Jesús Huerta de Soto (PDF)

Introdução

O presente livro propõe-se explicar de uma forma sintética, mas com a necessária profundidade, o conteúdo essencial e as características diferenciadoras mais importantes da Escola Austríaca de Economia, relativamente ao paradigma que até agora tem dominado a nossa Ciência. Analisa-se também a evolução do pensamento da Escola Austríaca desde as suas origens até ao momento actual, indicando-se de que forma é previsível que as contribuições desta Escola possam tornar mais frutífera a evolução futura da Ciência Económica. Dado que, de uma forma geral, os elementos essenciais da Escola Austríaca não são bem conhecidos:

No capítulo 1 explica-se de maneira comparativa quais são os princípios mais importantes da concepção dinâmica do mercado defendida pelos austríacos, assim como as substanciais diferenças de abordagem que existem entre o seu ponto de vista e o do paradigma neoclássico que até agora, e apesar das suas insuficiências, é o mais estudado na generalidade das nossas universidades.

No capítulo 2 expõe-se o núcleo essencial da tendência coordenadora que, impulsionada pela função empresarial, explica, segundo os austríacos, por um lado, o aparecimento de uma ordem espontânea do mercado e, por outro, a existência de uma série de leis de tendência cujo estudo constitui o objecto de investigação da Ciência Económica.

No capítulo 3 inicia-se o estudo da evolução da história do pensamento económico relacionado com a Escola Austríaca, partindo do fundador oficial da Escola, Carl Menger, cujas raízes precursoras remontam às contribuições desses notáveis teóricos que foram os membros da Escola de Salamanca do Século de Ouro espanhol.

O capítulo 4 é dedicado todo ele à figura de Böhm-Bawerk e à análise da teoria do capital, cujo estudo é um dos elementos que mais falta faz nos programas de teoria económica leccionados nas nossas universidades.

Os capítulos 5 e 6 tratam, respectivamente, das contribuições dos dois economistas austríacos mais importantes do século XX: Ludwig von Mises e Friedrich von Hayek. Sem conhecer os contributos destes dois teóricos não é possível entender como se foi formando a moderna Escola Austríaca, nem aquilo que representa no mundo de hoje.

Por último, o capítulo 7 dedica-se ao estudo do renascimento da Escola Austríaca que, tendo a sua origem na crise do paradigma dominante, está a ser protagonizado por um numeroso grupo de jovens investigadores de diversas universidades da Europa e da América. Uma exposição do programa de investigação da moderna Escola Austríaca, com as suas previsíveis contribuições para a evolução e futuro desenvolvimento da
nossa Ciência, juntamente com a resposta aos comentários críticos mais comuns que, geralmente fruto do desconhecimento e da incompreensão, se lançam contra o ponto de vista austríaco constituem a parte final deste livro.

Convém deixar claro que é impossível proceder aqui à exposição de uma visão completa e detalhada de todos os aspectos que caracterizam a Escola Austríaca. Apenas se pretende apresentar aqui um resumo das suas principais contribuições, de uma forma clara e sugestiva. Por isso, o presente trabalho não deve considerar-se mais do que uma simples introdução para todos aqueles interessados na Escola Austríaca que, caso desejem aprofundar algum dos seus elementos concretos, terão que recorrer à bibliografia escolhida que se inclui no final do livro. Por isso também se limitou o uso de citações, que poderiam ter sido incorporadas no texto para ampliar, ilustrar e clarificar ainda melhor o seu conteúdo. O interesse prioritário do autor consistiu em apresentar de uma forma atractiva o paradigma austríaco para toda uma série de potenciais leitores que, presumivelmente pouco familiarizados com o mesmo, possam a partir da sua leitura decidir-se pelo aprofundamento de uma abordagem que, quase com toda a certeza, será para eles tão inovadora como apaixonante.


Biblioteca Subversiva: Dicas de livros

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017