Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

SOLIDARIEDADE A OLAVO DE CARVALHO


WKYW: Veja o que o socialismo está fazendo com o Brasil

A Lei de Feminicídio não se responsabiliza por crimes praticados contra os homens.



a) A lei de feminicídio trata as mulheres como seres inferiores. Para esta lei não existe igualdade perante a lei.

b) Na lei de feminicídio, a causa das mortes das mulheres é simplesmente por elas serem mulheres que foram assassinadas por homens. Ma esta lei não funciona quando os homens são vítimas das mulheres

c) Na lei de feminicídio, mulher que mata mulher não conta. Este fato não é importante para esta lei. A violência entre lésbicas é maior que a violência entre os relacionamentos heterossexuais.

d) O mapa da violência de 2014 mostra que quase 60 mil pessoas foram assassinadas no Brasil e que representa 10% das mortes que ocorrem no mundo.

E) 8% desses assassinatos foram praticados contra as mulheres. Mas 92% foram praticados contra os homens, ou seja, são assassinados 11,5 vezes mais homens do que mulheres.

f) Naquele ano de 2014, 1092 mulheres foram assassinadas por seus parceiros, e 3292 homens foram vítimas de violência domestica. Isso não é uma competição para ver quem mata mais, mas se fosse, as mulheres venceriam.

g) Não existe pena para as acusações de falsos estupros. Mesmo destruindo moralmente a vida de muitos supostos acusados, as delatoras saem incólumes do processo.

H) A mulher que expos estes dados verdadeiros baseados em fatos reais e pela simples lógica está sendo chamada de machista pelas feministas de plantão.

República Socialista dos Impostos Elevados, Taxas e Multas do Brasil

É proibido ser feliz
A pior crise não é a econômica; é a moral.

Em sua voracidade arrecadadora, o poder público, nos três níveis começa a chantagear os contribuintes. Daremos pequenos exemplos:

Uma prefeitura municipal de cidade no litoral paulista, determina aos agentes de trânsito multar qualquer carro com chapa de outra localidade, por qualquer pretexto. O infeliz, prefere pagar a multa do que recorrer da mesma, por morar fora do município e para não enfrentar a burocracia.

Alguns governos estaduais, se utilizam dos registros de pedágios eletrônicos para "provar” que determinado veículo passa a maior parte do tempo em seu estado e assim, querem cobrar novo IPVA (além do já pago no estado do emplacamento).

Leia artigo completo: Terrorismo de Estado, escrito por  Carlos Maurício Mantiqueira, aqui

sábado, 18 de agosto de 2018

O Libertador

Os homens não podem prever o curso futuro dos eventos. Mas podemos dizer isso com confiança: se certas práticas continuarem, certas consequências se seguirão. Nós vivemos em um universo de causa e efeito moral. Políticas ruins eventualmente produzirão resultados ruins. Isso leva tempo, mas é a lei da liberdade. As sociedades quebram isso por sua conta e risco.

Onde estão aqueles que responderão à mensagem da FEE? Onde está o remanescente? Não podemos ter certeza, mais do que a maioria de nós consegue lembrar quem foi quem nos deu nosso primeiro exemplar de Freeman . Mas podemos fazer suposições informadas.

Podemos nos perguntar: quem entre nós começou a romper com a religião do Estado do Salvador? Quem começou a se desligar da dependência do Estado para o seu futuro?

Sugiro os seguintes grupos:

1) pais que tiraram seus filhos das escolas públicas;

2) investidores que decidiram que a Seguridade Social vai entrar em falta antes de morrer;

3) usuários da Internet que começaram a explorar fontes alternativas de informação;

4) igrejas que nunca aceitaram o Evangelho Social;

5) missionários estrangeiros de tempo integral que estão no campo, tentando mostrar às pessoas uma maneira melhor de viver;

6) pequenos empresários que estão cansados ​​da burocracia do governo que os estrangula e que estão dispostos a perder os subsídios do governo para sair da armadilha.

Os membros desses grupos são candidatos óbvios para o cargo não oficial, o libertador.

The Moral Dimension of FEE - Escrito Por Gary North

Fonte: FEE

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

A flecha e o rei

Antigamente, naqueles tempos, era preciso apenas uma flechada certeira para livrar-se de um rei. Entretanto, hoje em dia, nem mesmo o poder das armas nucleares é suficiente para livrar a humanidade dessa praga política supostamente democrática. Anon, SSXXI

Frases subversivas ou libertárias (146)

Anterior < Frase > Posterior

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

15 de agosto de 1971: O Fim do sistema Bretton Woods, o começo da fraude, o sistema global de moedas flutuantes, e a grande recessão.

E nasce o sistema bancário fraudulento
Este foi o evento econômico mais importante do século XX (sim, mais importante do que a queda do comunismo, pois a moeda afeta o padrão de vida de todas as pessoas do globo).  O que foi que aconteceu para gerar este arranjo?

Bem, logo de início, podemos citar as coisas que não aconteceram.  Não houve nenhum desastre econômico que deu início a este novo arranjo.  Não houve nenhum fracasso monumental do sistema de padrão-ouro global, até então conhecido como o sistema de Bretton Woods.  Não houve nenhuma reunião de líderes governamentais de todas as partes do mundo, em algum hotel de luxo, para criar um novo sistema global de moedas flutuantes.  Não houve nem sequer uma proposta para se estabelecer um sistema global de moedas flutuantes.

Não houve tratados, referendos ou discussões, como os que precederam a criação da zona do euro.  Quando o sistema global de moedas flutuantes primeiramente surgiu, no dia 15 de agosto de 1971, era para ser apenas uma medida temporária.  Ninguém imaginou, à época, que um novo sistema estava surgindo par ficar.

O sistema global de moedas flutuantes, esse mesmo sistema que temos hoje, surgiu por acidente.

Fonte: Leia artigo completo aqui

E veja este vídeo: A GRANDE FRAUDE

terça-feira, 14 de agosto de 2018

13 argumentos para o capitalismo liberal

Por Stephen R. C. Hicks


1º Argumento

Primeiro, vamos definir nossos termos.

Por “liberalismo” nos referimos a um conjunto de princípios que são institucionalizados. Os cientistas políticos falam desses princípios de forma sistemática. Entre eles está o Estado de Direito, isto é, existem princípios específicos claros que governam a sociedade — em oposição a um poder arbitrário nas mãos de um indivíduo ou grupo de indivíduos que pode estabelecer as regras à medida que avançam no poder. Normalmente, os princípios serão expressos em uma Constituição. Por exemplo, serão concebidas instituições democráticas e republicanas com a função de atribuir poderes, separá-los e, às vezes, fazê-los debater uns com os outros. Existe proteção clara e explícita aos direitos dos indivíduos à vida, à liberdade, à propriedade, à busca pela felicidade e assim por diante.

Vamos colocar todas essas características em uma “caixa”, por assim dizer, chamando-a de “liberalismo” ou, de forma mais abrangente, “capitalismo liberal”.

Agora, qual a vantagem daquele conjunto de instituições políticas?

O 1º argumento é que aquele conjunto de instituições aumenta dramaticamente o nível de liberdade que um indivíduo desfruta em relação a qualquer outro tipo de sociedade que pode ser planejada: socialismo, fascismo, autoritarismo, tribalismo e assim por diante. Sob o conjunto de instituições do capitalismo liberal, os indivíduos disfrutam de um nível maior de liberdade em relação a qualquer outro sistema. A maioria de nós gosta do exercício da liberdade: gostamos de fazer as coisas do nosso jeito, expressar nossos gostos, sonhar e ser capaz de tornar tais sonhos realidade.

No entanto, o capitalista liberal também argumentará que a liberdade não é somente algo de que gostamos. Mas sim que existe uma necessidade profunda, que é parte da natureza humana, de ser quem somos e sermos capazes de viver como indivíduos livres.

Dessa forma, uma sociedade que protege e fortifica a liberdade que os indivíduos desfrutam é, por esse critério, uma sociedade boa. Seres humanos não são escravos, e não são servos. Em vez disso, eles são, por natureza, indivíduos livres. E um objetivo específico da sociedade é proteger a liberdade dos indivíduos que a compõem.

2º Argumento

Suponha que vivamos em uma sociedade liberal, na qual os direitos de propriedade, liberdade e assim por diante são protegidos. Nós teremos, então, um aumento substancial da liberdade individual.

Economistas argumentam que os incentivos ao trabalho duro dos indivíduos mudarão sob tal sistema, comparado a outras instituições. Se fizer parte de um sistema no qual sou capaz de fazer o que quiser, ganhar meu sustento da forma que quiser, eu sei que se trabalhar duro, manterei os frutos do meu trabalho — então, os indivíduos naquela sociedade trabalharão mais duro. Eles produzirão maior valor econômico. Como resultado, aquela sociedade será mais próspera economicamente.

Compare o capitalismo com outras instituições. No tribalismo, onde trabalho pelo bem da tribo, tenho algum incentivo, é claro, a trabalhar pelo bem da tribo. Ou no feudalismo, onde trabalho principalmente para os aristocratas. Ou no socialismo, onde trabalho pelo bem da sociedade como um todo. De certa forma, posso ter incentivos a trabalhar duro até o limite da minha valorização a essas instituições.

Mas até o limite que eu for capaz de trabalhar para mim mesmo, mantendo os frutos de meu próprio trabalho, eu trabalharei mais duro e aquela sociedade tornar-se-á mais próspera economicamente.

3º Argumento

Novo argumento complementar: no capitalismo, as pessoas trabalham de forma mais eficiente.

Não somente as pessoas trabalham mais duro, como também de forma mais eficiente. O capitalismo aproveita melhor o conhecimento que está disponível, mas disperso entre os milhões de indivíduos que compõem a sociedade. O capitalismo desenvolve instituições que permitem aos indivíduos coordenar seu conhecimento de uma forma melhor do que em qualquer outro tipo de sociedade.

Contraste-a com uma monarquia, por exemplo. Suponha que temos um rei tentando organizar e gerenciar uma economia. O rei pode trabalhar duro, e até pode ser muito esperto. Mesmo assim, existe um limite no conhecimento de uma pessoa, e ele poderá somente tomar decisões instintivas, de cima para baixo, de forma centralizadora. Ou poderemos ter um conselho de planificação socialista, como outro exemplo. Mesmo assim, existe um limite no conhecimento de 20 ou 30 pessoas e na qualidade das decisões que podem tomar em nome da sociedade.

Em contrapartida, o capitalismo é caracterizado por um processo decisório descentralizado. Todo mundo é livre para tomar as decisões que quiser com relação a sua vida. Além disso, cada pessoa conhece sua própria realidade; suas próprias necessidades. Portanto, são capazes de estabelecer relações com outras pessoas de forma a descobrir o que é necessário para cada situação particular, melhor do que em qualquer outro sistema.

Se ampliarmos tal verdade ao sistema de oferta e demanda e ao sistema de preços em geral, no capitalismo liberal somos capazes de coordenar impessoalmente o conhecimento de milhões de pessoas ao redor do mundo de forma muito mais eficiente do que qualquer outro sistema.

Então, os sistemas capitalistas são mais eficientes e, por funcionarem assim, tornar-se-ão mais prósperos.

4º Argumento

Outro argumento complementar. Em um sistema capitalista liberal, as pessoas são livres para viver suas vidas como quiserem. Então, o que teremos nessa sociedade é um aumento crescente da individualidade — isto é, um número maior de pessoas que fazem as suas coisas, da maneira que preferem. Elas são livres para viver suas vidas como quiserem, pensar da forma que quiserem, experimentar o que quiserem.

O argumento aqui é que as sociedades capitalistas, devido a isso, serão sociedades muito mais criativas, porque encorajam e cultivam a individualidade. Como resultado daquele aumento de criatividade, há muito mais inovação nas sociedades capitalistas em comparação a outros tipos de sociedades.

Outros tipos de sociedades — principalmente se premiam a todos que fazem a mesma coisa da mesma forma, ou se premiam a todos que seguem ordens — não encorajarão a criatividade e a inovação que ocorre nas sociedades capitalistas. Esse argumento conclui que, como resultado da criatividade e da inovação, você terá maior prosperidade econômica no capitalismo liberal.

Deste modo: as instituições liberais capitalistas — por aumentar o nível de liberdade que as pessoas disfrutam nesse tipo de sociedade — fazem com que as pessoas trabalhem mais duro, de forma mais eficiente e criativa. E é por isso que aquelas sociedades produzem muito mais riqueza do que qualquer outro tipo de sociedade.

5º Argumento

O próximo argumento não foca tanto na capacidade produtiva do capitalismo ou em quanta riqueza produz — mas sim na distribuição de riqueza na sociedade. Uma característica do capitalismo no mundo moderno, particularmente, depois da Revolução Industrial, foi o desenvolvimento da produção de mercadorias em massa, obviamente, para as massas.

Roupas, casas, carros, TVs, alimentos produzidos em massa, e assim por diante. Todas essas são coisas que aumentaram dramaticamente o padrão de vida médio.
Então, se sua medida de sociedade próspera é o aumento do padrão de vida médio, ou o aumento do padrão de vida da maioria da população da sociedade, a sociedade capitalista supera todas as outras.

Compare as sociedades capitalistas às monarquias, às sociedades socialistas, às sociedades fascistas, às sociedades tribais e assim por diante. Todas elas possuem claramente um padrão de vida muito menor, ou a maioria das pessoas vive em situação pior do que na sociedade capitalista.

6º Argumento

Nesse momento, em vez de focar nas pessoas na margem, na média ou a maioria da sociedade — poderíamos focar nas pessoas mais pobres na sociedade e considerar os efeitos do capitalismo sobre elas.

O argumento aqui é que o capitalismo, por produzir uma grande quantidade de riqueza, faz com que uma quantidade significativa dela seja reinvestida, e que o reinvestimento criará muito mais empregos. E esses empregos serão mais bem pagos como um resultado do aumento do padrão de vida geral naquela sociedade.

Assim, seria melhor ser pobre em uma sociedade capitalista do que em qualquer outro tipo de sociedade.

O argumento é que, como uma pessoa pobre (no capitalismo), você terá maior liberdade para se tornar empreendedor e melhorar sua condição de vida, já que está inserido em uma sociedade que é, no geral, mais próspera. Há mais oportunidades de emprego para você. Portanto, o capitalismo melhora a sorte das pessoas mais pobres.

Esse argumento pode ser comprovado pela história, através da análise do número de pessoas vivendo abaixo da linha de pobreza. Se você analisar de forma consistente, a grande maioria das pessoas que vivia na pobreza, já não vive mais, por causa do desenvolvimento do capitalismo. Nas sociedades capitalistas avançadas, a pobreza é hoje uma questão de menor importância.

7º Argumento

Outro argumento relacionado foca nas organizações sem fins lucrativos das sociedades capitalistas. Dado que as sociedades capitalistas produzem tanta riqueza — muita dela, obviamente, é gasta diretamente em bens de consumo, e o restante é reinvestido como capital para novos projetos.

Contudo, grande parte dessa riqueza será destinada às organizações sem fins lucrativas. O argumento, então, é que o capitalismo gera uma sociedade mais robusta e saudável comparada a qualquer outro tipo de sociedade. O dinheiro será destinado a hospitais que operarão como organizações sem fins lucrativos — organizações humanitárias — para instituições de pesquisa que são devotadas a estudar curas para novas doenças.

O dinheiro será destinado à assistência de pessoas que não podem trabalhar, que são pobres e que não podem conseguir emprego e, dessa forma, precisam sobreviver pela caridade de outrem. Maior caridade existirá nas sociedades capitalistas prósperas, de modo que essas pessoas se beneficiarão diretamente.

O argumento aqui é que, se você é uma pessoa doente, sem recursos, ou um deficiente físico que não é capaz de se sustentar — você quer viver em uma sociedade capitalista porque isso aumentará suas chances de obter os recursos e a ajuda para enfrentar essa difícil situação.

8º Argumento

Outro argumento complementar na área de distribuição de renda.

Em vez de focar no cidadão médio, ou no cidadão pobre, ou na pessoa que é tão fraca e desabilitada que não pode se sustentar por conta própria — poderíamos considerar os efeitos do capitalismo sobre as pessoas mais capazes, mais inteligentes; as pessoas que são os gênios criativos das artes; as pessoas que são atletas de elite; as pessoas que são intelectuais e cientistas potencialmente brilhantes.

Todas aquelas pessoas necessitam de grandes quantidades de recursos. As ciências são disciplinas intensivas em capital. Grandes artistas precisam de muito tempo livre, educação, e talvez viagens para serem capazes de fazer o que fazem. Orquestras, por exemplo, são claramente muito dependentes de capital — o custo para organizar uma é altíssimo. Ou mesmo sair em turnê com uma banda, e assim por diante.

Então, todas essas pessoas — as maiores representantes nas ciências, nas artes, nos esportes e assim por diante — nós teremos mais delas em uma sociedade capitalista de livre mercado, precisamente porque o capitalismo é capaz de gerar a riqueza para dar apoio a essas pessoas, permitindo-lhes fazer mais coisas magníficas.

9º Argumento

O próximo argumento é que, protegendo a liberdade que os indivíduos disfrutam, as sociedades capitalistas cultivarão e encorajarão uma quantia significativa de individualidade — o que significa que teremos mais pessoas felizes na sociedade.

Para sermos felizes, temos que nos dedicar às nossas coisas, da forma que acharmos melhor. A maioria de nós não gosta de receber ordens, fazer coisas que não deseja e não ser capaz de aproveitar os frutos de trabalho.

Nas sociedades capitalistas, todavia, encorajamos as pessoas a fazer o que quiserem, ter seus próprios gostos. Não lhes determinamos trabalhos específicos — permitimos que escolham qualquer carreira que quiserem. Fora do ambiente profissional, encorajamos as pessoas a terem suas próprias preferências musicais, vestirem-se da forma que desejarem, e consumir quaisquer tipos de filmes e livros que quiserem.

As sociedades capitalistas liberais encorajam a individualidade e é, precisamente, por meio dela, que podemos viver nossa vida da forma que desejarmos, tornando-nos pessoas realizadas e felizes. Outras sociedades que obrigam as pessoas a viverem de forma específica, que não permitem que façam o que desejarem, que as empregam em tarefas escolhidas pelo estado, que roubam os frutos do seu trabalho — tais sociedades diminuem a felicidade e aumentam o nível de insatisfação geral.

10º Argumento

Por encorajar maior nível de individualidade na sociedade, o próximo argumento é que as sociedades capitalistas serão sociedades mais interessantes. Esse é quase um critério estético.

Mas se considerarmos o que torna interessante viajar para novas partes do mundo, veremos que é em grande parte para ver outras pessoas fazendo as coisas de maneira diferente, sendo as pessoas únicas e autênticas à sua maneira. Então, o que vamos conseguir nas sociedades capitalistas, devido à liberdade, é que as pessoas são únicas. Você terá muitas pessoas excêntricas, é claro, mas elas farão coisas interessantes nas artes, nas ciências, na filosofia, nos negócios e em outras áreas da vida..


Portanto, nessas sociedades liberais ocorrerão mais atividades interessantes, sendo mais divertidas — em oposição a uma sociedade que é mais conformista e dirigida pela hierarquia ou obediência.

11º Argumento

Próximo argumento: sociedades liberais capitalistas são sociedades tolerantes.

Considere a intolerância religiosa, por exemplo: um mal social que sempre atormentou o ser humano. É precisamente naquelas sociedades que encorajaram a liberdade individual – isto é, que os indivíduos deveriam ser livres para viver sua vida como melhor lhes convier, decidir por conta própria o que considera verdade, o que considera importante, e o que fará com respeito às questões religiosas — é precisamente nessas sociedades que começamos a ver o surgimento da tolerância religiosa.

Se for uma questão de princípio que as pessoas deveriam ser livres — que vou respeitar sua liberdade de viver sua vida como lhe convier, incluindo suas práticas religiosas, e guardarei zelosamente meu direito a viver minha vida religiosa como me convier — então, na medida em que ambos aceitem aquele princípio e na medida em que temos instituições liberais capitalistas protegendo-o, teremos sociedades mais tolerantes.

12º Argumento

Próximo argumento: o capitalismo leva à redução do racismo e do sexismo.

Você pode constatar isso analisando a questão do lucro, por exemplo, o qual é uma característica notável do capitalismo. Suponha que eu seja empresário em uma sociedade capitalista, e que quero ganhar muito dinheiro. Isso é lucrar. Suponha também que eu seja um sexista tradicional — eu não sou — mas suponha que assim fosse, e estou contratando e tenho dois candidatos potenciais. Um é uma jovem mulher, que se graduou com conceito A; o outro é um homem jovem que se graduou com conceito C.

Agora, quem contratarei? Bem, o meu lado sexista dirá: “eu quero contratar o homem, não a mulher”. Contudo, o meu lado capitalista dirá: “definitivamente, contratarei a mulher, porque ela é obviamente mais experta e trabalha mais, e será capaz de me trazer lucro maior”.

Então, o lucro capitalista levará as pessoas a superar atitudes sexistas tradicionais e, como resultado, mais homens e mulheres trabalharão juntos e as atitudes sexistas tradicionais desaparecerão.

A mesma coisa acontecerá na questão do racismo. Suponha que eu seja um capitalista e também um racista tradicional. Suponha que eu não goste de trabalhar com pessoas negras; Eu sou uma pessoa branca que não gosta de trabalhar com elas. Mas suponha que eu tenha um cliente potencial que é negro e ele vem até mim e informa que deseja comprar 100 mil dólares em produtos de minha empresa.

Agora, o meu lado capitalista dirá “Bem, eu gostaria de receber 100 mil dólares em vendas”. O meu lado racista poderia dizer “Eu não gosto de negociar com negros”. Qual deles prevalecerá? O argumento é que o lucro me dá o incentivo a superar diferenças raciais e negociar de forma pacífica com vistas ao ganho-mútuo com pessoas de outras raças. E uma vez que as pessoas começarem a fazer isso, as atitudes raciais tradicionais desaparecerão.

13º argumento

E, finalmente, o argumento de que o capitalismo leva à paz internacional.

Nós podemos novamente usar o lucro como um exemplo. O capitalismo leva ao crescimento do comércio, incluindo o comércio internacional, à globalização e assim por diante. A globalização é uma das principais tendências da era capitalista.

O argumento aqui, todavia, é que se estou negociando com pessoas de outros países — são meus fornecedores e meus clientes, logo, não quero entrar em guerra contra eles.

Se pessoas de outros países estão comprando milhões de dólares em produtos anualmente, eu não quero que morram. Eu não quero desestabilizar as redes comerciais que estão colocando dinheiro no meu bolso.

O mesmo se aplica se estou negociando com pessoas de outro país — se são meus fornecedores, eu necessito obter deles as matérias-primas para manter a minha produção. Eu não quero guerrear contra aquele país, eu não quero que morram porque isso prejudicará minhas chances de lucro.

Assim, o capitalismo promove relações comerciais entre as nações, as quais dão às pessoas um incentivo a permanecerem em paz umas com as outras.

Tradução de Matheus Pacini. Revisão de Vinicius Cintra. Graphic flowchart. English text. English and Portuguese video.

Departamento de Filosofia e Centro para a Ética e Empreendedorismo Rockford University, Illinois, USA