Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Compreendendo Romanos 13


Por Ron McKenzie


Chave perdida

A maioria das pessoas vem a Romanos 13 em busca de uma teoria política cristã. Infelizmente, eles estão desapontados. Eu venho na passagem de uma maneira muito diferente. Deus deu a Israel um sistema perfeito de governo quando eles entraram na terra prometida. Eles não precisavam de um sistema de governo enquanto eram escravos, mas uma vez que eles começaram a morar juntos em um pequeno território, eles o fizeram. O sistema perfeito que Deus deu a Moisés foi sua lei aplicada pelos juízes locais. Eu descrevo mais detalhadamente em Direito e Juízes . O perfeito sistema de governo de Deus foi registrado nos livros de Moisés, de modo que Deus não precisou dar de novo através de Jesus ou de Paulo.

Eu tropecei na chave de Romanos 13 quando eu estava ponderando o seu significado. Meu pai sempre se referiu ao governo como "os poderosos". Demorei um pouco para perceber que essa era uma citação de Romanos 13: 1. Um dia eu estava pensando sobre essa expressão estranha, e a conjunção do plural "poderes" com um verbo singular "ser". Percebi que isso poderia ser traduzido como "os juízes que são". Então pensei "Onde?" e "Como é que eles são e não são nomeados?" Em seguida, clicou para mim que Paulo estava se referindo a dois versos Deuteronômio que eu tinha lido recentemente.

Então ambos os homens, entre os quais a controvérsia é, devem ficar ... diante dos sacerdotes e dos juízes que estiverem naqueles dias (Dt 19:17 ).

Chegareis ao juiz que estiver naqueles dias; e tu perguntarás; e te mostrarão a sentença de julgamento (Deuteronômio 17: 9).

As traduções modernas referem-se aos juízes que estão no poder naqueles dias, mas a palavra escritório não existe no texto hebraico. Uma tradução literal seria "os juízes que estarão naqueles dias" ou "os juízes que estão naqueles dias". Paulo estaria familiarizado com esses textos. Quando ele começou a pensar sobre justiça e governo, o Espírito Santo trouxe essa expressão para sua mente.

Esses dois versículos resumem a forma perfeita de governo que Deus deu por meio do pacto Mosaico: a lei de Deus aplicada por juízes piedosos. Então Paulo estava se referindo ao governo ideal de Deus. Ele não estava criando uma nova teoria política em Romanos 13: 1, ele estava simplesmente se referindo ao sistema perfeito de governo que Deus já deu a Moisés e confirmando que a vontade de Deus para o governo não havia mudado.

Paulo afirmou o sistema da lei e os juízes que Deus já havia dado, assim como Jesus fez (Mt 5: 17-18). (É por isso que Jesus não tinha muito a dizer sobre leis e estruturas do governo). Paulo segue sua afirmação de "lei de Deus aplicada por juízes locais" dando algumas aplicações para a vida no império romano, construindo sobre o material comportamental mais importante em Romanos 12. (Lei e governo são sempre secundários para os cristãos).

Então, se queremos uma teoria política cristã, não podemos ir a Romanos 13, em vez disso, devemos começar com Deuteronômio e a lei de Deus e juízes locais. Eu não encontrei nenhum comentário bíblico ou teórico político cristão que tenha visto a ligação entre Romanos 13: 1 e Deuteronômio 19:17 e Deuteronômio 17: 9. Mas isso não me surpreende, porque a maioria dos cristãos interessados ​​em teoria política odeia a lei de Deus. No entanto, eles estão faltando uma chave essencial, o que explica por que tem havido muita confusão sobre este tema. (PS Há uma tese de mestrado aqui para alguém que está querendo um tópico).

Não seja superado pelo mal

As interpretações tradicionais de Romanos 13 não fazem sentido, porque elas fornecem uma justificativa para o mal. Contudo, esse não é claramente o propósito de Paulo.

Todos devem submeter-se às autoridades governantes, pois não há autoridade exceto aquilo que Deus estabeleceu. As autoridades que existem foram estabelecidas por Deus. Consequentemente, aquele que se rebela contra a autoridade está se rebelando contra o que Deus instituiu, e aqueles que o fazem trarão julgamento sobre si mesmos (Rm 13: 1,2).

Esse tipo de interpretação tem sido usado para justificar quase todas as formas de governo civil. O argumento comum é que Paulo estava escrevendo para a igreja em Roma, numa época em que Nero era César. Se um governante terrível como Nero foi instituído por Deus, então todas as formas de poder político são justificadas e os cristãos devem se submeter a qualquer autoridade política que chegue ao poder.

O principal problema com essa visão está no último verso do capítulo anterior.

Não seja vencido pelo mal, mas supere o mal com o bem (Rm 12:21).

Por que Paulo nos diria para não sermos vencidos pelo mal, e então, em sua próxima respiração, nos dirá para nos submetermos a reis e imperadores malignos? Paulo não era idiota. Eu acredito que nós temos mal entendido, o que ele estava dizendo sobre submissão.

Rei ou anarquia

A maioria dos comentaristas de Romanos 13 diz que Deus é um Deus ordenado, então ele nos deu reis e políticos para prover ordem para a sociedade. Os reis podem ser ruins às vezes, mas a anarquia seria pior. Aqui estão alguns exemplos.

A suposição de Paulo é que o governo no poder (mesmo Roma com suas visões religiosas errôneas, etc.) é melhor que o mal que resultaria da anarquia (George Herrick).

A anarquia simplesmente substitui a tirania dos oficialmente poderosos pela tirania dos não-oficiais poderosos, dos valentões e dos ricos (NT Wright).

A suposição de que reis e parlamentos fazem parte da ordem de Deus para a sociedade é comum à maioria dos comentários sobre Romanos. Eles assumem que Deus nos deu um governo humano porque a vida seria terrível sem eles.

O primeiro problema com essa suposição é que ela não é suportada pela escritura. Deus não estabeleceu reis e parlamentos para prover ordem na sociedade. Deus deu sua lei para esse propósito.

E o SENHOR nos ordenou que observássemos todos estes estatutos, para temermos ao SENHOR nosso Deus, para nosso bem sempre, a fim de que nos preservasse vivos como é hoje (Deuteronômio 6:24).

A lei é a provisão de Deus para a ordem na sociedade. A Bíblia nunca diz que reis e governantes estão lá para prover ordem. Em segundo lugar, a suposição de que os reis são superiores à anarquia nunca é provada. Por exemplo, a declaração de NT Wright acima não faz sentido. Os "oficialmente poderosos" também são valentões, que gostam de dizer a outras pessoas o que fazer. Os oficialmente poderosos sempre parecem se tornar ricos. A tirania do oficialmente poderoso não é melhor do que a tirania do poder extra-oficial.

A tirania não pode ser parte da ordem de Deus, seja oficial ou não oficial. Se pensarmos que Romanos 13 defende a tirania, entendeu-se mal a palavra de Deus. A vida sem reis pode ser horrível, mas a vida com um rei também é horrível. A alegação de que Deus estabeleceu autoridades governamentais para produzir uma sociedade ordeira está errada.

Supere o mal com o bem

O mal não pode vencer o mal. A única maneira de vencer o mal é com o bem. No entanto, os comentaristas vêem que os governantes do mal são úteis, porque eles trazem ordem para a sociedade, restringindo o mal. No entanto, isso está superando o mal com o mal, que é o oposto da mensagem de Paulo nesta passagem.

Não seja vencido pelo mal, mas supere o mal com o bem (Rm 12:21).

Nós devemos superar o mal com o bem. Fazemos isso no nível pessoal, abençoando aqueles que nos prejudicam. No entanto, Paulo segue essa afirmação, com uma discussão sobre a autoridade civil, de modo que ele parece estar aplicando esse princípio a esse nível também. Isto implica que o mal não pode ser superado pelo mau governo, mas apenas pelo bom governo. Paul está estreitando a discussão para um bom governo.

Os profetas condenam aqueles que dizem que as coisas más são boas. Devemos ter cuidado para não cair nessa armadilha. Se dissermos que os maus governantes são servos de Deus para nos fazer bem, estamos dizendo que o mau governo é bom. Isso não pode estar certo.

Servo de Deus

Pois ele é o servo de Deus para o seu bem (Rm 13: 4).

Muitos cristãos assumem que isso se aplica a todos os governantes. Isso não faz sentido. Governantes como Hitler e Stalin se opuseram a Deus e massacraram milhões de pessoas inocentes. Descrevê-los como servos de Deus fazendo o bem é um absurdo. Isso sugere que há algo seriamente distorcido com o entendimento tradicional dessa passagem. Essa passagem não pode se aplicar a todos os governantes.

Uma simples leitura do Novo Testamento mostra que muitos governantes não fazem o bem. Herodes, o Grande, matou todos os meninos com menos de dois anos que viviam nas vizinhanças de Belém (Mt 2:16). Herodes, o Tetrarca, decapitou João Batista para evitar constrangimento diante de seus convidados (Marcos 6: 21-28). Pontus Pilate matou Jesus, porque ele estava com medo do povo, mesmo que ele não encontrou base para as acusações contra ele (Lucas 23:14). Herodes Agripa mandou matar Tiago, irmão de João, com a espada (Atos 12: 2). Esses poucos exemplos provam que a maioria dos governantes e reis não faz o bem. Portanto, Paulo não pode estar falando sobre todos os governantes e reis em Romanos 13: 4. Estamos seriamente confusos, se pensarmos que ditadores e políticos podem ser chamados de servos de Deus.

Paul tinha experiência em primeira mão de autoridades políticas que causavam grande dano. Quando ele e Silas estavam em Filipos, foram açoitados e espancados pelos magistrados romanos.

A multidão se juntou no ataque contra Paulo e Silas, e os magistrados ordenaram que fossem despidos e espancados. Depois de terem sido severamente açoitados, eles foram jogados na prisão (Atos 16: 22,23).

Paulo não estava falando desses magistrados quando escreveu sobre os servos de Deus nos fazendo bem. Ele entendeu de primeira mão a experiência de que o estado poderia ser muito perigoso para os cristãos e causar-lhes grande dano.

Fui açoitado mais severamente e fui exposto à morte de novo e de novo. Cinco vezes recebi dos judeus os quarenta cílios menos um. Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado (1 Co 11: 23-25).

Paulo sabia melhor do que a maioria que o estado pode ser muito hostil ao povo de Deus. Dada essa experiência, a ideia de que ele ensinou que todas as autoridades políticas são servas de Deus é um absurdo. Seu ensinamento em Romanos 13 não é uma aprovação geral para todos os governantes políticos.

Recentemente, na China, 30 líderes de igrejas domésticas foram presos e forçados a pagar multas. Durante as prisões e interrogatórios, os cristãos foram abusados ​​desumanamente por espancamentos constantes. Esses líderes cristãos não diriam que as autoridades políticas são servas de Deus para lhes fazer bem. Eles entenderiam que eles são inimigos de Deus.

A maioria dos cristãos supõe que devemos nos submeter a todos os poderes políticos. Isso não pode ser verdade. Se Paulo acreditasse que todas as autoridades são de Deus, ele teria usado a palavra "todos", mas não usou. Ele usou a palavra grega "all" (pasa) ao dizer que "todas as pessoas deveriam se submeter", mas ele não a usou quando disse a quais autoridades submeter-se.

Falso Silogismo

Todos devem submeter-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade exceto aquela que Deus estabeleceu (Rm 13: 1b).

A interpretação tradicional desses versículos é que devemos nos submeter a todas as autoridades políticas, porque sua autoridade é de Deus. Este é um falso silogismo. Para ver a lógica distorcida, observe os seguintes conjuntos de instruções.

Toda autoridade é ordenada por Deus
Hitler tem autoridade
Portanto, Hitler é ordenado por Deus
então devemos nos submeter a ele.

Este exemplo a seguir exagera o ponto.
Toda autoridade é ordenada por Deus
Satanás tem autoridade
Portanto Satanás é ordenado por Deus
então devemos nos submeter a ele.

Isso não é verdade. A lógica correta é a seguinte.

Toda autoridade legítima é de Deus.
Hitler e Satanás são hostis a Deus
Portanto, as autoridades de Hitler e Satanás são ilegítimas.

A afirmação de que toda autoridade é ordenada por Deus não pode ser usada para legitimar toda e qualquer autoridade política. Deve inspirar-nos a procurar autoridade legítima.

Debaixo de Deus, não de Deus

A maioria das traduções de Romanos 13: 1 dizem: Não há autoridade exceto de Deus. A palavra grega traduzida como "de" é "upo". Esta palavra significa "sob" em vez de "de". Esta é uma diferença sutil, mas importante (outro exemplo dos tradutores que favorecem as autoridades políticas).

Dizer que toda autoridade é de Deus implica que ele a criou, mas a deu a outra pessoa. Passou dele para as autoridades políticas. Isso é uma distorção da verdade.

Autoridade sob Deus não foi a lugar nenhum. Paulo está dizendo que não há autoridade legítima, exceto sob Deus. A verdadeira autoridade só pode ser recebida por aqueles que operam "sob" Deus. Qualquer autoridade que não esteja sob Deus foi roubada e é ilegítima.

Uma doutrina surgiu de tal maneira:

Jesus é o Senhor da igreja e do mundo espiritual.
O estado tem autoridade no reino secular.
Isso é um absurdo. Jesus é o Senhor de todos. Ele disse que toda autoridade foi dada a ele. Ele não entregou nenhuma autoridade ao estado secular. (Ele nem mesmo entregou autoridade a um estado cristão, prestando serviço de boca a boca para sua autoridade).

Os reis e parlamentos não operam em uma esfera política com uma autoridade independente. A menos que estejam totalmente submetidos a Deus, eles estão operando com uma autoridade que eles roubaram de Jesus, então sua autoridade é ilegítima. Paulo estava realmente avisando que eles são rebeldes e usurpadores. A verdade é exatamente o oposto da interpretação tradicional.

Autoridades Políticas e Legislação

Toda sociedade precisa de leis para funcionar. Existem duas maneiras pelas quais podemos obter a lei que nossa sociedade precisa.

1.  Nós podemos obter nossa lei de Deus

2. Nós podemos criar nossa própria lei.

A maioria das nações modernas escolheu a segunda opção. Eles têm um Parlamento de um Congresso que faz leis para a nação.

A maioria dos cristãos também aceita o segundo método. Eles estão felizes em aceitar leis feitas pelo parlamento ou congresso que existe em sua nação. Eu acho isso bastante intrigante.

1. Os parlamentos e congressos humanos fazem a lei humana. Eu posso entender porque os pagãos gostariam de viver sob leis humanas, mas por que Christian quer viver sob leis humanas?

2. Deus revelou sua lei. É simples de ler e fácil de entender. Por que os cristãos não querem usar a lei de Deus?

As leis humanas sempre serão inferiores à lei de Deus. Temos a estranha situação no mundo moderno, onde todos odeiam a lei de Deus, mas ama a lei humana. Posso entender por que aqueles que odeiam a Deus odiariam sua lei, mas não consigo entender por que aqueles que amam a Deus são tão ambivalentes em relação à sua lei. Este é um dilema para os líderes políticos. Se eles estão fazendo leis, eles estão rejeitando a lei de Deus, então eles não podem reivindicar estar sob sua autoridade. Se estiverem sob a autoridade de Deus, eles aceitarão sua lei e deixarão de fazer leis humanas.

Legislação não é legal

Paulo não faz referência à lei humana em Romanos 13. A razão é que Deus já deu a lei.

Deus é o nosso legislador (Is 33:22).

Deus é o legislador e ele não deu ou delegou esse papel a ninguém. Isso significa que todos os legisladores humanos são usurpadores da autoridade de Deus. O papel dos parlamentos e congressos é fazer leis humanas, então sua autoridade é ilegítima. Eles estão em rebelião contra a lei de Deus, então eles não podem estar debaixo de Deus. Paulo não dá nenhuma indicação da necessidade de legisladores humanos em Romanos 13. Quando escreve sobre lei, ele se refere aos Dez Mandamentos. Ao resumir a lei que é cumprida pelo amor, ele se refere à segunda tabela da lei.
Os mandamentos: "Não cometer adultério", "não matar", "não roubar", "não cobiçar", e quaisquer outros mandamentos que possam existir (Rm 13: 9). Paulo está claramente pensando sobre a lei de Deus e não sobre a lei feita pelo homem. A expressão "outros mandamentos que podem ser" provavelmente se refere às aplicações dessas leis dadas em Êxodo 21-23.

Como temos a lei de Deus, não precisamos de parlamentos ou legisladores para decidir o que é certo ou errado. Portanto, as autoridades descritas por Paulo não podem ser parlamentos, congressos e outros órgãos legislativos. Eles não podem estar sob Deus, porque seu propósito é produzir leis humanas. Como eles não são submetidos a Deus, os cristãos não precisam reconhecer sua autoridade.

Nós assumimos que porque nossos legisladores são eleitos democraticamente, eles têm autoridade para fazer leis. O problema é que eles foram eleitos por humanos, então eles só têm autoridade humana. Eles só podem fazer leis humanas, portanto, os cristãos não são obrigados a obedecer às leis humanas.

Tradução enganosa

Parte do problema com Romanos 13 é a maneira pela qual ele foi traduzido. Sempre que uma palavra tem significados alternativos, os tradutores escolhem o sentido que dá maior apoio ao poder do Estado.

Isso não é surpreendente. Martinho Lutero, o primeiro dos protestantes a traduzir o Novo Testamento, foi protegido pelo príncipe Frederico. Ele dificilmente traduziria Romanos 13 de uma maneira que prejudicasse o poder político de seu protetor. Os tradutores da versão King James não traduziram Romanos 13 de uma maneira que negava o poder do rei Jaime.

Infelizmente, tradutores modernos do Novo Testamento não escaparam da influência de seus predecessores. Eles continuam a traduzir a passagem de uma forma que apoia o poder do Estado. Isso é muito estranho. Um tema importante das cartas de Paulo é que Jesus é o Senhor e César não é. Se isso for verdade, não deveríamos traduzir suas cartas de maneira a maximizar o poder de César. Precisamos de uma tradução de Romanos 13, respeitando Jesus como Senhor. (Uma tradução melhor é dada no final do artigo).

Nenhuma autoridade governante

Um bom exemplo do problema da tradução é Romanos 13: 1. A seguir, uma tradução típica.

Todos devem submeter-se às autoridades governantes, pois não há autoridade exceto aquilo que Deus estabeleceu.
Esta tradução é bastante enganosa. O primeiro problema é que a palavra "governar" não está no texto grego. A palavra frequentemente traduzida como "governante" é "huperecho". Pode significar "superior em posição", mas também tem um forte senso de "excelência". Paulo usou a mesma palavra em Filipenses 3: 8, quando falou da "grandeza suprema" de conhecer a Cristo. Paulo está realmente dizendo que devemos nos submeter apenas àqueles que são excelentes. Ele está nos dando uma escolha ao enviar. Nós só nos submetemos àqueles que demonstraram excelência.

Este é um aspecto importante da submissão. Os cristãos nunca são obrigados a oferecer submissão cega. Nossa liberdade significa que a submissão é sempre voluntária. Devemos usar nossa liberdade para nos enviar com sabedoria. Devemos apenas nos submeter às melhores pessoas, seja anciãos, juízes ou empregadores.

Toda pessoa deve se submeter aos juízes mais excelentes.

Excelentes juízes

O outro problema de tradução em Romanos 13 é a palavra "autoridade" (exousia). Ele é usado quatro vezes nos dois primeiros versículos do capítulo, então seu significado é realmente importante para entender a mensagem de Paulo. Ao anexar a palavra "governar", as traduções modernas dão a exosia o significado mais forte possível. No entanto, como a palavra inglesa "autoridade", a palavra grega "exousia" pode ter uma ampla gama de significados, incluindo liberdade, autoridade, juiz e governante. Seu uso mais comum é para a autoridade que foi dada a Jesus (Mt 28:10). Também é usado para descrever as autoridades espirituais (Ef 1:21; 6:12).

Em Lucas 12:11, exousia é usada no contexto da aparência perante um tribunal, então "juiz" ou "magistrado" é a tradução apropriada. O contexto em Romanos 13 é semelhante, como Paulo está pensando sobre crime e punição. Na maioria das sociedades, a punição do crime é tratada por juízes em tribunais de justiça. Portanto, traduzir exousia como juiz faz sentido nesta passagem.

A prática usual de traduzir exousia como autoridade não faz sentido, pois implica que os cristãos devem submeter todas as autoridades políticas, incluindo os ditadores do mal. Paulo havia avisado que os cristãos não deveriam ser "vencidos pelo mal". É improvável que ele siga este aviso com uma mensagem de conforto para os governantes e autoridades que não reconhecem Jesus como Senhor.

Em Romanos 13, exousia é autoridade que foi dada por Deus àqueles que implementam sua lei, por isso deve estar se referindo aos juízes. A mensagem central de Romanos 13: 1 é que todas as pessoas devem se submeter a excelentes juízes.

Toda pessoa deve se submeter aos juízes mais excelentes, porque não há autoridade judicial legítima exceto sob Deus.

Quem são os poderes que são

Uma confirmação desta interpretação é o uso de Paulo da expressão "as autoridades que existem" ou a expressão mais comum "os poderes que são".

Os que existem foram estabelecidos por Deus (Rm 13: 1b).

Ao explicar quais autoridades são de Deus, Paulo constrói uma frase estranha que usa o verbo "ser" duas vezes. Traduzido literalmente, o verso significa "as autoridades que são, são de Deus". Isso é estranho. Paulo estava dizendo que "as autoridades que são" ou "as autoridades que são" são de Deus.

Como observado acima, esta estranha expressão "as autoridades que são" vem do Antigo Testamento e é a chave para entender essa passagem. Paulo está se referindo a onde o livro de Deuteronômio se refere aos "juízes que são".

Então ambos os homens, entre os quais a controvérsia é, devem ficar ... diante dos sacerdotes e dos juízes que estiverem naqueles dias (Dt 19:17 ASV).

Chegareis ao juiz que estiver naqueles dias; e tu perguntarás; e te mostrarão a sentença de julgamento (Deuteronômio 17: 9).
As traduções modernas referem-se aos juízes que estão no poder naqueles dias, mas a palavra escritório não existe no texto hebraico. Uma tradução literal é "os juízes que estarão naqueles dias" ou "os juízes que estão naqueles dias". Paulo estaria familiarizado com esses textos. Quando ele começou a pensar em justiça, o Espírito Santo trouxe essa expressão para sua mente.

Êxodo e Deuteronômio descreveram um sistema único de governo: a lei de Deus aplicada por juízes piedosos. Paulo está simplesmente se referindo a isso e confirmando que a vontade de Deus não mudou.

Os juízes que surgiram em uma sociedade livre são organizados por Deus.

Autoridade ou juiz

Em Romanos 13: 1, Paulo usa a palavra "exousia" que é freqüentemente traduzida como "autoridade". Eu argumentei que ele estava se referindo aos juízes. Por que ele não usou a palavra grega "krites", que também pode significar juiz?

A resposta para este enigma é óbvia no livro de Atos. A palavra "krites" foi usada com bastante frequência no Império Romano. Gálio foi o procônsul romano da Acaia quando um grupo de judeus Paulo antes de sua corte. Gallio disse:

Acabe com o assunto. Eu não serei juiz (krites) de tais coisas (Atos 18:15).
Paulo usou a mesma palavra quando apareceu diante de Félix, o governador (hegemon) em Cesaréia.

Quando o governador fez sinal para que ele falasse, Paulo respondeu: "Eu sei que por vários anos você tem sido um juiz (krites) sobre esta nação; então eu de bom grado faço minha defesa (Atos 24:10).

Paulo não pôde usar a palavra "krites" quando escreveu sua carta aos romanos, porque eles teriam assumido que ele estava se referindo a governadores e procônsules. Isso era exatamente o oposto de sua mensagem, então ele preferiu evitar a palavra "krites" e usou a palavra "exousia". Para deixar claro seu objetivo, qualificou a palavra "exousia" com o adjetivo "excelente" e fez a ligação com Deuteronômio com a expressão "juízes que são".

Paulo estava defendendo o governo por excelentes juízes interpretando a lei de Deus.

Juízes sob Deus

Moisés estabeleceu uma ligação forte entre Deus e os juízes ao descrever como as disputas de propriedade deveriam ser resolvidas.

Se um homem dá a seu vizinho prata ou bens para guarda e eles são roubados da casa do vizinho, o ladrão, se for pego, deve pagar o dobro. Mas se o ladrão não for encontrado, o dono da casa deve comparecer perante os juízes para determinar se ele colocou as mãos na propriedade do outro. Em todos os casos de posse ilegal de um boi, de um burro, de uma ovelha, de uma peça de vestuário ou de qualquer outra propriedade perdida sobre a qual alguém diga: "Esta é minha", ambas as partes devem levar seus casos aos juízes. Aquele a quem os juízes declaram culpado deve devolver o dobro ao próximo (Êx 22: 7-9).

A palavra hebraica traduzida duas vezes como juiz nesta passagem é Elohim, uma palavra mais conhecida como o plural de Deus. No entanto, esta palavra foi usada ocasionalmente por deferência para os juízes. Moisés estava sugerindo que esses juízes poderiam dar os juízos de Deus. Elohim também pode ser usado para sugerir um superlativo, caso em que Moisés estaria se referindo a excelentes juízes.

Quando Paulo falou de excelentes juízes em Romanos 13, ele também estava se referindo aos Êxodos 21 e 22 e esta referência aos melhores juízes (elohim).

Toda pessoa deve se submeter aos juízes mais excelentes, porque não há autoridade judicial legítima exceto sob Deus.

Réguas

Outra palavra-chave é dada no terceiro verso do capítulo. Uma tradução padrão é a seguinte.

Pois os governantes não detêm terror para aqueles que fazem o certo, mas para aqueles que fazem o mal. Você quer estar livre do medo daquele em autoridade? Então faça o que é certo e ele o recomendará. Pois ele é o servo de Deus para fazer-lhe bem. Mas se você errar, tenha medo, pois ele não carrega a espada por nada. Ele é servo de Deus, um agente da ira para punir o transgressor (Rm 13: 3,4).

A palavra geralmente traduzida como "régua" é "arkon". As traduções inglesas de romanos sempre escolhem a tradução mais forte possível, mas esta palavra grega também pode ser traduzida como "juiz" ou "magistrado". É traduzido como juiz em Lucas 12:58. O contexto confirma que Paulo está escrevendo sobre a submissão aos juízes. O papel dessas autoridades é punir os perversos. Isso é algo feito por juízes, não por políticos ou líderes militares.

Bons juízes não têm terror para aqueles que fazem o certo, mas apenas para aqueles que cometem erros. Se você quer estar livre do medo da autoridade dos juízes, faça o que é certo. Você os louvará, porque o juiz é o servo de Deus para o seu bem. Mas se você fizer o mal, tenha medo; porque um juiz tem o poder de punir por nada; porque ele é o servo de Deus, para vingar os que praticam o mal, decretando a sentença contra eles.

Se fizermos bem, não precisamos temer os juízes. A razão é que fazer o bem neste contexto significa cumprir a lei (Rm 13: 8-10). Se não infringirmos a lei prejudicando nossos vizinhos, os juízes não farão mal a nós.

Governado por juízes
Deus não estabeleceu reis ou parlamentos. Ele estabeleceu um sistema de governo pelos juízes que aplicam sua lei. Este sistema é descrito em Êxodo e Deuteronômio. Infelizmente, isso nunca foi totalmente implementado, portanto, sua operação não é descrita na Bíblia. O livro que é chamado de Juízes na verdade descreve uma época em que Israel recusou cair em pecado e se recusou a se submeter a bons juízes. Sem a proteção de Deus, eles foram invadidos por seus inimigos, então Deus teve que levantar comandantes militares para resgatá-los.

Em sua carta aos romanos, Paulo afirma esse sistema de governo por excelentes juízes aplicando a lei de Deus. Ele apoiou este sistema, instando todas as pessoas a submeterem-se livremente a excelentes juízes.

Excelentes juízes não são nomeados

Somos obrigados a nos submeter aos juízes que Deus estabeleceu.

Os juízes que surgiram são organizados por Deus (Rm 13: 1b).

Paulo parece implicar que esses juízes simplesmente existem. Eles não são eleitos ou nomeados, apenas são. Isso é muito estranho, mas é realmente importante.

Se os juízes são nomeados, a pessoa que tem o poder de nomeá-los tem o poder de distorcer a justiça. Juízes nomeados por reis ou políticos perdem sua independência, porque aqueles que os nomeiam também podem removê-los. As pessoas também perdem a liberdade de escolher os melhores juízes.

A Bíblia descreve um sistema melhor. Juízes surgem quando as pessoas começam a levar casos para pessoas que demonstram sabedoria. Se uma pessoa obtiver a reputação de tomar decisões sábias, mais e mais pessoas enviarão seus casos para elas. Paulo disse que deveríamos nos submeter a excelentes juízes, porque é assim que surgem excelentes juízes. Eles não são nomeados. Pessoas sábias comuns tornam-se juízes, pois as pessoas escolhem enviar casos a elas.

Excelentes juízes não são nomeados, mas emergem quando pessoas livres enviam casos para eles. Eles são reconhecidos à medida que mais e mais pessoas enviam seus casos para os melhores juízes. Juízes mais pobres receberão cada vez menos casos, à medida que as pessoas ouvirem sobre seus erros. Quando um juiz azeda, as pessoas deixarão de se submeter a ele e levarão seus casos a juízes melhores. Paulo está dizendo que os juízes que surgiram em uma sociedade livre são aqueles que são estabelecidos por Deus. Ao nos submetermos a excelentes juízes, permitimos que Deus crie os juízes que ele escolheu.

Moisés, como muitos líderes, acreditava que ele poderia fazer o trabalho melhor do que qualquer outro, mas a exaustão provou que ele estava errado. Quando ele montou um sistema de juízes, ele achou necessário nomea-los, mas agia seguindo o conselho de Jetro, seu sogro, e não de uma palavra de Deus.

Tudo o que Moisés realmente teve que fazer foi dizer às pessoas que levassem seus casos para as pessoas de suas tribos e comunidades nas quais eles já confiavam (Êxodo 18). Ele realmente descobriu que Deus já tinha juízes no lugar. As pessoas sabiam quem eram, mas Moisés não as reconheceu. O novo sistema funcionou, porque Deus colocou os juízes no lugar. Eles provaram ser juízes eficazes quando lhes foi permitido fazer a tarefa.

Eles serviram como juízes para o povo em todos os momentos. Os casos difíceis que trouxeram a Moisés, mas os simples, eles decidiram (Ex 18:26).

Não há autoridade judicial legítima, exceto de Deus, então as pessoas que se tornam "os juízes que são" são a ordem de Deus para a justiça. Os juízes que existem (porque as pessoas confiam neles) são aqueles colocados (tassa) por Deus. Somente aqueles juízes que surgem através da submissão voluntária têm autoridade legítima. Sua tarefa é aplicar a lei de Deus. Todos os outros poderes políticos são usurpadores da autoridade de Deus.

Paulo descreve juízes que apenas fazem o bem.

Pois ele é o servo de Deus para fazer-lhe bem (Rm 13: 4).

Isso só faz sentido sob um sistema voluntário. Bons juízes farão o bem, porque se eles pararem de fazer o bem, as pessoas podem parar de se submeter a eles e eles não serão mais juízes. Nós só nos submetemos a excelentes juízes, porque apenas os realmente bons serão capazes de evitar cair no mal. Nenhuma outra opção faz sentido, já que nenhum outro sistema de governo poderá fazer bem aos homens.

Nenhum monopólio

A palavra "autoridade" é plural. Paulo não está falando de um único líder / juiz. Ele está sugerindo que devemos nos submeter aos juízes (plural). Romanos 13 não é uma mensagem sobre reis ou parlamentos, mas uma confirmação do ensino do Antigo Testamento sobre o papel dos juízes. Haverá muitos juízes e autoridades e devemos nos submeter aos excelentes.

Toda pessoa deve se submeter aos juízes mais excelentes.

O benefício de ter muitos juízes é que as pessoas têm uma escolha. Eles podem escolher os que são melhores. Na maioria dos países modernos, o estado reivindica o monopólio do julgamento. Os litigantes não têm escolha, mas têm que usar os juízes fornecidos pelo estado. O monopólio em qualquer mercado tende a aumentar o preço e reduzir a qualidade dos serviços. Em algumas disputas comerciais, as empresas estão indo para a arbitragem privada, a fim de garantir julgamentos mais rápidos e melhores.
O Antigo Testamento sempre fala de múltiplos juízes (Êx 22: 8,9; Dt 19: 17,18; 25: 1). As pessoas tenderão a obter melhor justiça quando um número de juízes estiver competindo para oferecer um serviço melhor.

Princípio Radical

Antes de lançar em seu ensinamento sobre o governo civil, Paulo afirma um princípio poderoso.

Não seja vencido pelo mal, mas supere o mal com o bem (Rm 12:21).

Embora este princípio reafirme o mandamento de Jesus de dar a outra face, suas implicações mais amplas não são bem compreendidas. Paulo está dizendo que não devemos usar o mal para vencer o mal, mesmo quando lidamos com o problema da ordem na sociedade.A maior parte da autoridade política envolve forçar as pessoas a fazerem coisas contra sua vontade. No entanto, Deus nos deu liberdade, então forçar as pessoas a fazerem coisas que não desejam fazer é mal, mesmo que isso seja feito para manter a ordem na sociedade.

Deus não força as pessoas a obedecê-lo. Ele prefere que as pessoas façam sua vontade, porque elas o amam. Forçar as pessoas a serem boas não tem lugar no Reino de Deus.

O governo moderno é baseado no uso da força.

1. As pessoas são obrigadas a obedecer às leis aprovadas pelos políticos no poder.

2. As pessoas são forçadas a pagar a taxa de imposto que os políticos cobram.

O uso da força é justificado pela alegação de que, se as pessoas não são restringidas pelo poder do Estado, a sociedade se tornará desordenada. Os defensores do poder político concordam que o uso da força é mau, mas afirmam que, se não houvesse governo, resultaria num mal ainda pior. Este é essencialmente um argumento para usar um mal menor para superar um mal maior.

Paulo parece estar descartando essa opção. Se for somente permitido vencer o mal com o bem, então vencer o mal com um mal menor não é aceitável.

Romanos 12:29 é um princípio radical que mina a base de todos os governos modernos. Se as palavras de Paulo são verdadeiras, a ideia de que os governos podem forçar as pessoas a fazer as coisas para o bem da sociedade é falha. Todos os sistemas que forçam as pessoas a fazer as coisas contra sua vontade são ilegítimos. Esta é a razão pela qual os governos perpetraram tanto mal. Eles são baseados em um princípio que é moralmente correto usar um mal menor para superar um mal maior. O problema é que o mal sempre gera o mal.

Democracia não é solução. Sob a democracia, as minorias são forçadas a fazer o que a maioria decide. Votar não faz esta coerção correta.

Jesus estava convencido de que seu Reino não seria estabelecido pela força (Mt 26: 53,54; Jo 18:36). Os cristãos não devem apoiar nenhum sistema governamental baseado na força. Jesus foi claro sobre as limitações da força.

Jesus, porém, lhe disse: "Põe a tua espada em seu lugar, pois todos os que tomarem a espada perecerão pela espada" (Mt 26:52).
Jesus não estava apenas dizendo que a força irá falhar; ele estava avisando que acabaria destruindo todos aqueles que a usam.

Os cristãos não entenderam isso. Acreditamos na salvação pela graça, mas uma vez que somos salvos, corremos de volta ao uso da lei para mudar o mundo; não a lei de Deus, mas a lei humana. Em todo o mundo ocidental, os cristãos estão tentando persuadir seus políticos e parlamentos a aprovar leis que proíbem uma ampla variedade de pecados, incluindo a prostituição e o aborto.

Isso é muito estranho. Todos nós entendemos que somente o Espírito Santo pode mudar o coração, mas ainda queremos usar a força e a lei humana para lidar com o pecado.

Autoridade de Deus

Jesus explicou como distinguir entre autoridade que é de Deus e aquilo que foi roubado dele.

Os reis dos gentios dominam sobre eles; e aqueles que exercem autoridade sobre eles se chamam de Benfeitores. Mas você não é para ser assim. Em vez disso, o maior entre vocês deve ser como o mais jovem, e aquele que governa como aquele que serve (Lucas 22: 25-26).
Jesus condenou os governantes que dominam o povo e usam a força para fazê-los fazer o que eles querem. Os governantes dos gentios chamam a si mesmos de benfeitores, mas eles "dominam" sobre eles. Eles usam coerção e controle.

A autoridade do Reino deveria ser totalmente diferente. Aqueles que exercem autoridade no reino devem ser servos daqueles que lideram. Um servo não pode forçar a pessoa que eles estão servindo a fazer coisas que eles não querem fazer. Um servo não pode controlar o que eles estão servindo.

A diferença é fácil de ver. A autoridade de Deus é sempre voluntária e produz liberdade. Não há coerção ou controle. Onde uma autoridade usa coerção e controle, não é de Deus. A maior parte da autoridade política moderna é baseada na coerção e no controle, de modo que não pode ser autoridade de Deus.

Não se conforme

Não se conforma mais com o padrão deste mundo (Rm 12: 2).
O padrão do mundo é a submissão aos poderes do estado em troca da salvação proporcionada pelo estado. As pessoas que querem que o Estado ofereça segurança "do berço ao túmulo" estão muito felizes em se submeter aos poderes políticos. Esse é o padrão do mundo.

Os cristãos confiam em Deus para sua salvação. A salvação que ele proveu através de Jesus é muito melhor que a salvação provida pelo estado. Em resposta a essa salvação, nos submetemos a Jesus como nosso Senhor. Os cristãos devem parar de se conformar ao padrão do mundo, submetendo-se ao estado com a falsa esperança de receber a salvação desprezível que ele proporciona.

Governo Voluntário

Precisamos de um sistema de governo civil que seja voluntário; isso não envolve forçar as pessoas a fazerem coisas contra sua vontade. A solução de Paulo é que todas as pessoas escolham livremente "submeter-se a juízes excelentes" (Rm 13: 1).

1. Todo mundo fica livre.

2. Os juízes recebem autoridade.

3. O mal não é superado pelo mal (mesmo que seja um mal menor).

A submissão é um poderoso veículo para trazer ordem à sociedade sem usar coerção. Quando as pessoas se submetem livremente, elas podem permanecer livres, porque podem retirar sua submissão, se a autoridade se deteriorar.

A autoridade pode ser obtida de duas maneiras:

1. Impondo o controle do topo.

2. Submissão voluntária de baixo.

Nós nos tornamos confusos sobre esses dois conceitos. Nós preferimos governantes que forçem as pessoas a fazer a coisa certa. Infelizmente, eles não têm lugar no reino de Deus.

Ame

O amor não substituiu a lei. Paulo diz que as consequências de cumprir a lei e viver em amor são as mesmas. Esta é uma afirmação incrível. A lei não é o oposto do amor, mas é consistente com isso.

O amor não faz mal ao próximo. Portanto, o amor é o cumprimento da lei (Rm 13:10).

O amor não faz mal a outra pessoa, então a boa lei não pode permitir danos a ninguém. Um sistema de governo que força as pessoas a fazerem coisas contra sua vontade seria inconsistente com o amor.

Para o nosso bem

Ao descrever o propósito dos juízes, Paulo explica que excelentes juízes fazem as pessoas boas.

Um juiz é o servo de Deus para o seu bem (Rm 13: 4).

Isso está de volta à declaração de Moisés sobre o propósito da lei. Ele explicou que a lei foi dada para o bem do povo.
E o Senhor nos mandou fazer todos estes estatutos, para temer a Jeová nosso Deus, para nosso bem sempre, a fim de que nos preservasse vivos como hoje (Dt 6:24 ASV).
A lei foi dada para o bem da comunidade em geral e para preservar suas vidas da violência e do roubo.

A maioria das traduções modernas usa a palavra "prosper", mas isso é um pouco enganador, pois implica em riqueza crescente. Uma tradução mais precisa é a expressão "para o seu bem". Deus deu a lei para o nosso bem, para que pudéssemos viver em harmonia com outras pessoas, mesmo que elas não tenham medo de Deus. O propósito da lei é proteger nossas vidas e propriedades contra danos, punindo ladrões e assassinos.

Os juízes nos fazem bem, aplicando a lei de Deus. Esta é a melhor maneira de alcançar uma sociedade harmoniosa.

Crime vingador

Não devemos retribuir aqueles que nos prejudicam, mas devemos nos vingar de Deus.

Não pague a ninguém mal pelo mal. Não se vingue, meus amigos, mas deixe espaço para a ira de Deus (Rm 12: 17,19).
Não devemos retribuir o mal pelo mal ou buscar vingar aqueles que nos prejudicam. Isso levanta uma questão interessante. Se não devemos nos vingar, mas deixá-lo para Deus, não há recompensa aqui na terra? Existe o risco de o crime sair do controle?

Nos Romanos 13, Paulo explica como um sistema de juízes piedosos vinga aqueles que praticam o mal. Esta é a solução de Deus para o problema do crime.

Um juiz é o servo de Deus, para vingar aqueles que praticam o mal, decretando sentença contra eles (Apocalipse 13: 4).
Os cristãos não devem buscar vingança, mas podem submeter seus casos a bons juízes. Os juízes tentarão garantir que os criminosos façam a restituição. Deus usa juízes para declarar seu veredicto contra criminosos.

Viva em paz

Paulo diz que devemos viver em harmonia com todos os homens.

Se é possível, na medida em que depende de você, viver em paz com todos (Rm 12:18).
Alguns versos atrás, ele havia dito que os cristãos deveriam viver em harmonia uns com os outros (Rm 12:16). Isso é relativamente fácil, se eles se amam. No entanto, viver em paz com "todas as pessoas" é um apelo muito mais difícil. Como podemos viver em paz com pessoas más? Paulo explica como isso pode acontecer em Romanos 13: 1. A chave para viver em paz com "todas as pessoas" é que "todas as pessoas" se submetam a excelentes juízes. Então eles poderão punir aqueles que cometem pecados que ferem outras pessoas; violência, roubo e mentira. Isso irá restringir o mal, possibilitando que todos vivam em harmonia.

Isso liga-se ao propósito da lei.

O amor não faz mal ao próximo. Portanto, o amor é o cumprimento da lei (Rm 13:10).
Este verso implica que, se as pessoas não são prejudicadas, então a lei foi cumprida. Esta é uma chave para entender a lei e o papel dos juízes em aplicá-la. O objetivo da lei é impedir que as pessoas prejudiquem seus vizinhos. Os juízes aplicam a lei pelo mesmo motivo. Se todos vivessem em amor, os juízes e a lei não seriam necessários. Na ausência de amor, a lei age como restrição a ações que prejudicariam outras pessoas. A lei e os juízes nunca se livrarão de todo mal, mas irão minimizá-lo.

Justiça Voluntária

Se uma pessoa tiver algo roubado, o juiz procederá da seguinte maneira. Ele iria realizar uma investigação para descobrir o ladrão. Ele pode empregar um especialista para ajudar na investigação. Em uma sociedade livre, muitos investigadores privados estariam disponíveis. Alguns operariam com base em apenas receber pagamento se o ladrão fosse levado à justiça. Isso pode custar mais, mas a vítima poderá pagar ao investigador a restituição recebida.

Quando o ladrão for identificado, a vítima irá confrontá-lo. Se ele confessar e devolver o que foi roubado, provavelmente seria o fim da questão. Se o ladrão se recusar a confessar, a vítima levará o caso a um juiz.

O acusado tem duas opções. Ele poderia concordar em levar o caso a um juiz. Nesse caso, a vítima e o ladrão precisariam concordar com o juiz e concordariam em aceitar sua decisão. Ambas as partes querem um juiz que tenha uma reputação de honestidade e sabedoria.

A outra opção para o acusado seria se recusar a aceitar qualquer juiz. Se ele não se submeter ao juiz, ele ficará sob suspeita e as pessoas deixarão de confiar nele. A vida ficaria muito difícil, pois as pessoas da comunidade relutariam em comprar coisas dele. Recusar-se a se submeter a um juiz provavelmente seria mais caro do que fazer a restituição.

Se o acusado se recusasse a se submeter a um juiz, a vítima ainda poderia levar o caso a um juiz. Ele iria querer evitar qualquer sugestão de preconceito, então ele escolheria um juiz que tivesse uma reputação de ser justo com os ladrões. Ele evitaria seus amigos ou qualquer um que pudesse ser acusado de favorecê-lo.

O acusado apresentaria seu caso ao juiz. Para preservar sua reputação de justiça, o juiz verificaria a evidência com muito cuidado. Mesmo que o acusado se recusasse a comparecer perante ele, o juiz procuraria todas as evidências ou álibis que pudessem favorecer o acusado. Ele se inclinaria para ser justo, pois essa seria a melhor maneira de manter sua reputação. Uma boa reputação é essencial para um juiz que deseja continuar no negócio.

Se o juiz decidir que o acusado é culpado, ele especificará o valor da restituição que deve ser paga. Isso geralmente seria por vezes a quantidade que foi roubada. Se o ladrão tivesse se submetido ao juiz, ele efetivamente teria contratado para pagar o valor especificado pelo juiz. Quando a restituição estiver completa, o juiz informará a comunidade de que o ladrão pagou sua dívida.

Se o ladrão fosse desonesto, ele poderia se recusar a pagar o que devia, mesmo que tivesse se submetido ao juiz. A solução é a mesma, se o acusado se submeteu ao juiz ou não. O juiz anunciaria à comunidade que o ladrão havia sido condenado, mas se recusou a pagar.

As pessoas da comunidade onde o criminoso viveu devem apoiar o juiz recusando-se a negociar com o ladrão até que ele tenha pago a restituição especificada. Seu empregador pode tirar uma porcentagem de seu salário para ir em direção à restituição. Outros empregadores poderiam se recusar a empregá-lo. Se todos se recusassem a comprar dele ou lhe fornecessem bens, ele eventualmente teria que pagar restituição apenas para sobreviver.

Submissão aos juízes

O que é submissão?

1. Submissão não significa desobediência total.

2. Submissão não significa pagar impostos.

3. Submissão não significa permitir que outros façam leis que devemos obedecer.

Submeter aos juízes significa quatro coisas:

Levando casos para bons juízes.

1. Aceitando veredictos de bons juízes.

2. Apela de novos juízes para melhores juízes.

3. Ajudar os juízes a impor suas decisões.

Submissão significa levar casos de injustiça a juízes e permitir que eles apliquem as penalidades prescritas na lei de Deus. Nada mais nada menos.

Apoiando bons juízes

A submissão funciona melhor quando todos reconhecem os melhores juízes.

Qualquer um que resista à decisão de um bom juiz está se rebelando contra o que Deus colocou em prática e receberá uma sentença de Deus (Rm 13: 2).

A referência aos juízes em Romanos 13: 1 não tem artigo definido, então a afirmação é sobre juízes em geral, e não juízes em particular. Neste verso, há um artigo definido, então Paulo está falando de um juiz real. Ele está advertindo que, se nos recusarmos a aceitar o veredicto de um bom juiz depois de nos submetermos a eles, estamos nos rebelando contra a ordem de Deus. Aqueles que se rebelam dessa maneira trarão julgamento sobre si.

Este é um princípio da lei. Quando uma pessoa dá evidência falsa para incriminar outra pessoa, os juízes devem investigar, e se a testemunha prova ser uma mentirosa, ela deve receber a sentença que a pessoa acusada falsamente teria recebido (Dt 19: 16-19). Uma pessoa que tenta perverter a justiça receberá a penalidade que eles tentaram infligir à pessoa inocente. Se nos recusarmos a nos submeter à decisão de um juiz, Deus nos infligirá julgamento. Bons juízes têm o apoio de Deus. Sociedades que rejeitam sua lei e os juízes que ele está trazendo experimentarão julgamento.

A única maneira de um ladrão culpado evitar a restituição seria fugir para outro país. Mesmo isso pode não funcionar, porque sua reputação o seguiria. Na maioria das situações, seria mais barato e mais fácil pagar a restituição e depois continuar com a vida.

Se todos se submeterem a bons juízes, os ladrões podem ser punidos sem o uso de força e coerção. O comércio é voluntário, portanto as pessoas não são obrigadas a negociar com um ladrão condenado. O ladrão geralmente escolheria fazer a restituição, para que ele possa continuar a se envolver no comércio.

Veredictos desfavoráveis

Submissão significa aceitar o veredicto do juiz, mesmo que seja contra nós. Na maioria dos casos, apenas uma das partes pode ganhar, portanto, quando duas partes em uma disputa se submetem a um juiz, elas devem concordar que ficarão vinculadas pela decisão do juiz. Eles podem concordar com as opções de apelação antes de enviar para o juiz. Por exemplo, eles podem concordar em aceitar um apelo a um grupo de juízes sobre questões de lei, em vez de fatos. Se não houver motivos para apelação, a submissão significa aceitar a decisão de um juiz, mesmo que seja a favor da outra parte.

Apelações

Submissão a juízes excelentes significa que juízes menos qualificados admitem seus erros e os corrigem, quando um juiz mais qualificado aponta um erro em uma decisão. À medida que o sistema de juízes se desenvolve, alguns dos melhores juízes se especializarão em ouvir apelações. Muitas vezes, vários juízes podem ouvir o apelo juntos.

Decisões de apoio aos juízes
O sistema bíblico só funciona, se toda a sociedade apoiar a decisão do juiz. Submissão significa apoiar as decisões de bons juízes. Podemos fortalecer a autoridade de excelentes juízes ajudando-os a implementar decisões. Por exemplo, um bom juiz sentenciará um ladrão condenado a pagar restituição, mas ele não poderá usar força física para obter o pagamento de restituição.

No entanto, se o resto da sociedade se recusar a lidar com o ladrão até que sua restituição esteja completa, ele não teria escolha senão cumprir a decisão do juiz. Bons juízes terão sua decisão apoiada, porque outros membros da sociedade ajudam a implementá-los. Isso também funciona para manter os juízes honestos. Se eles começarem a tomar decisões injustas, as pessoas retirarão seu apoio e perderão sua reputação.

Lei Negativa

Os juízes não têm autoridade até que um crime aconteça se a lei for formulada negativamente.

Você não deve roubar.

Esta formulação negativa é muito importante. Esta lei não tem implicação para o comportamento de quem não rouba. Esta lei tem uma penalidade, mas só se aplica àqueles que roubam. Os juízes só podem aplicar esta lei àqueles que roubam. As pessoas que não roubam ficam livres para fazer o que quiserem com seu dinheiro. Isso nos dá uma grande liberdade. Podemos evitar a autoridade dos juízes, não roubando. Uma lei negativa não tem relevância para quem não a quebra.

Uma lei positivamente declarada confere aos juízes um poder muito maior e reduz enormemente a liberdade. Considere uma lei positivamente declarada.

Você deve dar todo o dinheiro de reposição para os pobres.

Esta lei daria aos juízes o direito de monitorar e desafiar todas as transações financeiras. Os juízes teriam autoridade para verificar cada pessoa que gasta dinheiro. Este seria um poder extremamente perigoso e perderíamos muita liberdade. Paulo explicou isso em Romanos 13: 3.

Bons juízes não têm terror para aqueles que fazem o certo, mas apenas para aqueles que cometem erros.

Esta afirmação só é verdadeira se as leis forem expressas negativamente. As leis positivamente expressas fazem dos juízes um terror para todos.

A lei bíblica não atribui aos juízes a responsabilidade de forçar as pessoas a levar vidas virtuosas. A lei não pode mudar a natureza humana, por isso não pode eliminar o pecado. A única solução para o pecado é nascer de novo pelo Espírito Santo em resposta ao evangelho de Jesus. Sob a lei bíblica, os juízes só podem restringir o pecado punindo os crimes; eles não devem tentar fazer as pessoas boas.

Por outro lado, aqueles que pretendem fazer o mal devem temer os bons juízes, porque Deus lhes deu autoridade para fazer com que aqueles que roubam e assaltem paguem por aqueles a quem prejudicaram.

Mas se você fizer o mal, tenha medo; porque um juiz tem o poder de punir por nada; pois ele é o servo de Deus para vingar aqueles que praticam o mal, decretando sentença contra eles (Rm 13: 4).

Quando as leis são enquadradas negativamente, as pessoas más precisam temer a autoridade do juiz. A lei é direcionada diretamente a eles.

Repúdio ao crime

Paulo diz que devemos nos submeter aos juízes para o benefício da consciência. Aqueles que tomam as coisas em suas próprias mãos podem acabar fazendo a coisa errada. Se submetermos nossas situações a bons juízes, poderemos aceitar suas decisões com uma consciência limpa.

Consequentemente, você deve se submeter, não apenas por causa da aversão ao crime, mas também por causa da consciência (Rm 13: 5).

A palavra ira muitas vezes traduzida como ira também toma o significado de "aversão". Devemos nos submeter aos juízes porque temos uma aversão a todos os crimes. Os cristãos não devem apenas querer justiça nas situações em que foram maltratados; eles odeiam tanto a injustiça que querem justiça para todos.

Pagando juízes

O povo de Deus quer que todos tenham acesso a bons juízes. Para garantir que isso aconteça, devemos fornecer apoio financeiro aos melhores juízes, para que eles possam lidar com mais casos. Paulo incentiva essa doação em Romanos 13: 6, mas seu significado é perdido devido à maneira como a passagem é traduzida. A maioria das traduções modernas insere a palavra governo, que não está no texto grego. Aqui está uma tradução mais literal:

É por isso que pagamos uma contribuição para bons juízes. Eles são servos de Deus dedicando todo o seu tempo a administrar a justiça (Rm 13: 6).

Esta passagem não é uma justificação da tributação geral pelas autoridades governamentais. O pagamento só deve ser feito aos servos de Deus. Neste contexto, os servos de Deus são os juízes que estão ocupados ouvindo muitos casos e especialmente aqueles que lidam com muitos apelos. Eles são os excelentes juízes que estão trabalhando continuamente no que Paulo está falando nesta passagem: aplicar a lei de Deus para disputas entre pessoas.

Queremos que eles estejam disponíveis para essa tarefa, para que o pecado seja contido e a sociedade permaneça pacífica e harmoniosa. Por essa razão, devemos fazer pagamentos voluntários a esses juízes, para que eles possam trabalhar em tempo integral em seu trabalho. Um "tributo" é um pagamento feito por uma pessoa para outra, ou uma nação para outra, por proteção. Paulo está dizendo que aqueles que não precisam de um juiz em sua situação atual, podem se submeter a um excelente juiz, contribuindo voluntariamente para um retentor para eles.

Pague o que você deve

Nossa responsabilidade para bons juízes é expandida no próximo verso.

Dê a todos o que você lhe deve: se você deve uma contribuição, pague uma contribuição; se um pedágio for devido, pague um pedágio. Respeite esses juízes dignos de respeito. Apenas honre aqueles dignos de honra (Rm 13: 7).

O princípio básico é que devemos pagar a todos a quem devemos algo. Quando os juízes fazem seu trabalho bem, toda a sociedade se beneficia, não apenas as pessoas que recebem seus casos ouvidos. Se os juízes lidarem eficazmente com o crime, a sociedade será pacífica e a economia poderá crescer. Todos nós nos beneficiamos do seu trabalho. Todos nós devemos algo aos juízes que tomam boas decisões.

Usar a palavra "impostos" para a tradução deste versículo é um pouco enganador, pois implica um pagamento compulsório que é decidido pelo governo recebendo. Um imposto deve ser pago, independentemente de alguma coisa ter sido recebida em troca. Paul está falando de um pagamento voluntário, não de uma taxa obrigatória. Ele está dizendo aos cristãos que eles devem decidir o que devem aos juízes em sua comunidade e garantir que eles paguem alguma coisa para manter sua manutenção.

A palavra grega traduzida como receita pode significar pedágio. Os pedágios são legítimos porque são pagamento de um serviço. Por exemplo, se eu usar uma estrada, devo algo para o custo de manutenção da estrada. Um pedágio é um pagamento por um serviço.

O impulso deste versículo é que devemos decidir o que devemos a quem. Nós apenas honramos aqueles que são dignos de honra. Nós respeitamos apenas aqueles que são dignos de respeito. Nós não somos obrigados a respeitar as autoridades do governo, porque eles são usurpadores da autoridade de Deus. Nós não precisamos honrar os políticos, que fazem leis humanas, porque estão em rebelião contra Deus. Devemos honrar e respeitar os bons juízes, que aplicam a lei de Deus com sabedoria. Essas palavras são seguidas de uma ordem para ficar fora da dívida.

Que nenhuma dívida permaneça pendente (Rm 13: 8).

Estou endividado quando alguém me empresta dinheiro. Também tenho uma dívida com alguém que me fornece bens ou serviços e antes de pagar por eles. Um passivo fiscal não é uma dívida, porque eu não recebi bens ou serviços. Por outro lado, bons juízes ajudaram a manter uma sociedade pacífica, por isso tenho uma dívida até ter feito uma contribuição para eles.

Tradução melhor

A seguir, uma tradução melhor de Romanos 12: 17-13: 7.

Não retribua o mal com o mal. Tenha cuidado para fazer o que é certo aos olhos de todos. Se é possível, na medida em que depende de você, viver em paz com todos. Não se vingue, meus amigos, mas deixe espaço para Deus lidar com o mal.

Não seja vencido pelo mal, mas vença o mal com o bem. Toda pessoa deve se submeter aos juízes mais excelentes, porque não há autoridade judicial legítima exceto sob Deus. Os juízes que surgiram em uma sociedade livre são organizados por Deus. Qualquer um que resista à decisão de um bom juiz está se rebelando contra o que Deus colocou em prática e receberá uma sentença de Deus.

Bons juízes não têm terror para aqueles que fazem o certo, mas apenas para aqueles que cometem erros. Se você quer estar livre do medo da autoridade dos juízes, faça o que é certo. Você os louvará, porque o juiz é o servo de Deus para o seu bem. Mas se você fizer o mal, tenha medo; porque um juiz tem o poder de punir; porque ele é o servo de Deus, para vingar os que praticam o mal, decretando a sentença contra eles. Consequentemente, você deve se submeter, não apenas por causa da aversão ao crime, mas também por causa da consciência.

É por isso que pagamos uma contribuição para bons juízes. Eles são servos de Deus dedicando todo o seu tempo a administrar a justiça. Dê a todos o que você lhe deve: se você deve uma contribuição, pague uma contribuição; se um pedágio for devido, pague um pedágio. Respeite esses juízes dignos de respeito. Apenas honre aqueles dignos de honra (Rm 12: 17-13: 7).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Boa parte dos conhecimentos surgiu dos questionamentos.