Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

domingo, 3 de março de 2013

A Metafísica de Louis Lavelle



Palestra de Tarcísio Padilha 

PDF - DA POSTERIDADE DO PENSAMENTO DE LAVELLE – LusoSofia 



Louis Lavelle
Louis Lavelle nasceu em 15 de julho de 1883 em Saint-Martin de Villeréal (Lot-et-Garonne) e morreu em Parranquet, perto de seu povoado natal, em 1o de setembro de 1951. Seu pai era professor primário e sua mãe possuía uma pequena fazenda. Os pensadores desta região – Montaigne, Fénelon, Maine de Biran – permaneceram toda a vida particularmente caros a ele. Ele deixa o Périgord com os pais com a idade de sete anos e prossegue seus estudos em Amiens e Saint-Étienne.

Bolsista da Faculdade de Lyon, entusiasma-se com o pensamento de Nietzsche, participa de manifestações libertárias, mas assiste a muito poucas matérias. Após diversas suplências em Laon – período durante o qual teve oportunidade de assistir, em Paris, a vários cursos de Brunschvicg e de Bergson – e em Neufchâteau, ele é agrégé em 1909 e nomeado em Vendôme, e depois em Li­moges. De seu casamento em 1913 nasce primeiro um menino, em 1914, e depois três meninas.

Quando soa a hora da mobilização, Louis Lavelle, reformado e posto à disposição do prefeito de Limoges, consegue ir para o front. Enviado a Somme em setembro de 1915, e depois a Verdun em fevereiro de 1916, é feito prisioneiro em 11 de março e passa os últimos anos da guerra no campo de Giessen. Em cinco cadernetas compradas na cantina do campo, ele escreve o que se tornará sua tese de doutorado (defendida em Paris em 1922): La Dialectique du Monde Sensible.

Nomeado professor num liceu de Strasbourg após a guerra, desempenha um papel muito ativo nas organizações sindicais de professores da Alsácia-Lorena. É também nessa época que se diagnostica em seu filho a doença óssea que o matará em 1952, cinco meses após a morte de seu pai. De 1924 a 1940, Louis Lavelle ensina em Paris em diferentes liceus e cursos particulares. É dele a coluna de filosofia do jornal Le Temps, e ele codirige em Aubier, com o amigo René Le Senne, a coleção “Philosophie de l’Esprit”. Nesses mesmos anos são publicados seus primeiros grandes livros: De l’Être (1928), La Conscience de Soi (1933), La Présence Totale (1934), De l’Acte (1937), L’Erreur de Narcisse (1939).

Em 1940, o armistício o encontra em Bordeaux, onde, após uma breve passagem pelo Ministério da Instrução Pública, é nomeado inspetor-geral no início de 1941 e escolhido para a cadeira de filosofia do Collège de France em outubro seguinte. Numerosas obras aparecem após a guerra, enquanto se multiplicam as conferências no estrangeiro. Mas, paralelamente às graves preocupações causadas pelo estado de seu filho, sua saúde pessoal se altera muito rapidamente. No ano mesmo de sua morte, em 1951, são publicadas três de suas principais obras: De l’Âme Humaine, Le Traité des Valeurs e Quatre Saints.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

VISITE A BIBLIOTECA DO SUBVERSIVO DO SÉCULO XXI