Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

quinta-feira, 26 de abril de 2018

A demolição coercitiva da Pequena Casa Rosa de Susette - Um monumento á injustiça do estado norte-americano

Por Veronique de Rugy


Os Estados Unidos deveriam ser a "terra dos livres", um país onde o individualismo e a propriedade privada são sacrossantos. No entanto, é difícil manter essa crença enquanto assiste ao recém-lançado filme de Courtney Moorehead Balaker, "Little Pink House".

O filme retrata a história da vida real das famílias determinados que lutaram para proteger suas casas em New London, Connecticut, durante e após tentativas vergonhosos autoridades da cidade para expulsá-los a partir de 1998. Surpreendentemente, em 2005, foi a Suprema Corte que infligiu a derrota final aos proprietários de imóveis, que perderam tudo no processo.

Deprimente, certo? Na verdade, o filme acaba por ser de desafio e coragem em face do uso indevido do governo da cláusula de tomada de Constituição (ou seja, domínio eminente). É a história inspiradora dos advogados pro bono que representaram as vítimas até a Suprema Corte por causa de sua crença na liberdade econômica.

É também um lembrete importante de que a briga nunca acaba, mesmo depois de cinco juízes decidirem que o governo confiscaria a propriedade privada porque acha que seria mais lucrativo nas mãos de outros. Em última análise, é uma história daqueles que lutam por seus direitos, não importa quão pequenas sejam suas chances de prevalecer.

O herói principal desta história é Susette Kelo, o rosto da rebelião e dono da "Little Pink House". Ela não venderia para a New London Development Corp., uma organização privada sem fins lucrativos que queria usar suas terras para construir um parque de biotecnologia, com um hotel e casas de luxo. Note que não estamos falando sobre o governo forçar as pessoas a vender suas casas para construir rodovias ou hospitais. Estamos falando de uma organização não-governamental recebendo autoridade para expulsar as pessoas de suas casas em nome do "benefício público". Isso é redefinido aqui para significar os lucros, reais ou imaginários, da gigante farmacêutica Pfizer, construindo um centro de pesquisa global. O filme repetidamente nos trata de um representante desprezível da NLDC, promovendo os 1.000 empregos e o potencial de US $ 1,3 milhão em impostos anuais do investimento da Pfizer e equacionando-o à justiça social.

Os outros heróis do filme são os advogados do Institute for Justice, com sede na Virgínia. Ao longo do filme, eles expõem implacavelmente um sistema injusto que permite que uma empresa pegue a propriedade de outra pessoa apenas porque ela pode gerar mais receitas fiscais. IJ defende seu cliente perante a Suprema Corte, mas está claro que ele também está lutando por todos nós que, da mesma forma, perderíamos nossas casas no futuro.

Ele está lutando pelo Motel 6, que poderia ser desalojado para construir um Ritz-Carlton - e todos os outros pequenos negócios que poderiam estar no caminho de algo maior. Embora Kelo tenha perdido uma decisão de 5 a 4, o apelo pela liberdade econômica contra o confisco injusto da propriedade privada foi ouvido por milhões de americanos preocupados. O argumento fundou um movimento que introduziu legislação para restringir ações governamentais semelhantes em 21 estados dentro de um mês da decisão enfurecedora.

O pior vilão neste filme não é uma pessoa real, mas ainda está em exibição durante todo o filme. É a repugnante aliança entre governo e empresas privadas. Cena após cena coloca uma empresa politicamente conectada contra Kelo e amigos. Mas essas vítimas eram visíveis e não foram sem luta. Infelizmente, as vítimas colaterais muitas vezes não sabem que são vítimas de programas como esse, que protegem os lucros em vez das pessoas.

E como se Kelo estivesse perdendo sua casa não estava punindo o suficiente, a saga continuou após a decisão. Uma vez que a Pfizer esgotou os subsídios que a cidade usava para atraí-la para Nova Londres, ela se deslocou novamente, para coletar subsídios em outros lugares - deixando para trás um terreno baldio onde ficava a Pequena Casa Rosa.

Este favoritismo é galopante em todos os níveis do nosso governo. Mas, independentemente da forma que assuma, sempre prejudica os americanos mais vulneráveis ​​e menos politicamente conectados, ao mesmo tempo em que sustenta os lucros das empresas mais poderosas e integradas. "Little Pink House" coloca uma cara real sobre essas vítimas e aqueles que abusaram deles, e isso mostra por que devemos sempre lutar contra essa injustiça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Boa parte dos conhecimentos surgiu dos questionamentos.