Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Fogo subversivo contra fogo


contra o desarmamento


Por Anon,

Algumas verdades sobre os crimes e as mentiras do Estado outorgado pela mídia.

a) O estado nunca teve, não tem e nunca terá capacidade para garantir a segurança de qualquer cidadão. Portanto, por parte do Estado, proibir ou até mesmo desestimular o cidadão à sua autodefesa através da criminalização das armas ou políticas semelhantes é, no mínimo, uma prática muito perigosa e bastante questionável.

b) Quando um cidadão está à mercê de um delinquente e sob a mira de uma arma não faz diferença para o meliante se a vítima, o cidadão, reagir ou não reagir. Hoje em dia, o bandido não contenta só com o fruto do roubo, ele sente prazer em abater a vítima.

c) Quando o Estado desarma a população proibindo a compra e uso de armas por parte do cidadão, isto em si, não garante a diminuição dos crimes, pelo contrário.

d) Se o Estado monopoliza ou assume todo direito sobre um produto chamado segurança e coercivamente desarma o indivíduo, deixando-o à deriva e ao dissabor da criminalidade ou dos agentes do crime, não caberia ao Estado o dever de indenizar incondicionalmente todas as vitimas? Mas isto não ocorre. Não é mesmo?

e) Os bandidos, além de possuírem e portarem armas muito mais sofisticadas e de grosso calibre, estão muito mais organizados, e muito mais treinados que o próprio Estado. Contra esta ação criminosa é necessário uma intensa reação de toda a sociedade. Portanto, todo indivíduo tem que estar armado, bem treinado e pronto para esta guerra civil nacional. Nossas baixas contam com cinquenta mil mortos por ano. Sem direito a um ritual digno, com saraivada de balas e tudo mais, os nossos Heróis são eliminados feitos moscas e enterrados discretamente sob as bandeiras cínicas dos politicamente corretos.

f) Crime e castigo, assim como sempre foi e assim terá que voltar a ser. Os frutos destas atuais políticas de bem estar social estão deturpando todos os processos morais e éticos daquilo que vinha a ser, ou que era conhecido como a ordem natural das coisas. A miserável intervenção Estatal, em vários seguimentos da nossa sociedade, principalmente no seio familiar, vem provando que ao longo destes vinte anos se tornou uma verdadeira máquina de produzir delinquentes e bandidos. O Brasil está se preparando para ser o maior campo de concentração da historia, em que todos os cidadãos de bem estarão sobe o jugo das mais variadas formas de quadrilhas, sendo o Estado o principal delas.

g) A priori, qualquer objeto pode ser uma arma em potencial. Uma arma não ativa o seu usuário, é o usuário com n motivos subjetivos: psicopatas, ou não, que aciona as armas.  Em suma, as armas não atiram sozinhas; e os Estados por motivos objetivos (guerras) são os que mais as utilizam. Mais uma lei vertical de cima para baixo, ou seja, o estado é um organismo imune e não segue a lei que ele próprio cria.

h) Os bandidos sempre estão ou agem acima da lei; portanto, qualquer lei que restringe ou proíbe o uso de arma de fogo irá apenas atingir e, conseqüentemente, desarmar o contribuinte honesto, aquele que sustenta toda essa inconsequente máquina estatal, cujas aspirações Malthusianas estão, deliberadamente, se expressando à luz do dia a dia.

Na Declaração Universal dos direitos humanos, no Artigo III: Toda pessoa tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. E no Artigo XVII: 1. Toda pessoa tem direito à propriedade, só ou em sociedade com outros. 2. Ninguém será arbitrariamente privado de sua propriedade. Porém, atualmente e em nome de uma política social capenga, os esquerdistas se esqueceram de uma palavrinha mágica chamada ”DEVER”, e que sem ela nenhum estado de direito ou nenhuma Justiça social permanecerá por muito tempo para proteger os tais DIREITOS. Pois cada direito gera automaticamente, naturalmente, um dever ou vice-versa; e privilegiar o crime ou o seu ator, dando lhe benesses em vez de castigo, é condenar a vítima e a sociedade duas vezes. Uma vítima fatal não tem mais sonhos e nem esperança, não poderá ter mais filhos, caso os tenha, não poderá mais acompanhá-los ou vê-los crescer, seus familiares ficam traumatizados, quase como zumbis. Em apena num único crime, um criminoso nunca mata somente uma vitima, ele também mata a sua família, os seus entes queridos e uma boa parte da sociedade. E quem é que vai pagar por isso?!

As soluções mais simples são, na maioria das vezes, as mais eficazes para solucionar os mais diversos tipos de problemas. Entretanto, para o Estado, estas soluções não são rentáveis. E assim, é necessário que se crie as mais complicadas leis, deste que delas e através de sórdidas barganhas, ele possa auferir algum lucro ou qualquer vantagem imediatista. Anon, SSXXI


Veja também: (Clique nos títulos)









2 comentários:

  1. OlA Anon, tudo bem? Acho o seu nome um pouco assustador mas lendo sua pagina constatei que voce e alguem que congrega das mesmas ideias que eu. Nao li tudo porque se faz tarde mas voltarei a faze-lo. Obrigada por seguir o Politica sem Medo. Abraco Forte e um FELIZ NATAL.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem! Somos muitos com ideais semelhantes e a liberdade não tem preço. Eu que agradeço! Boas festas e até mais!

      Excluir

VISITE A BIBLIOTECA DO SUBVERSIVO DO SÉCULO XXI