Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

“O movimento aquecimentista necessita ser devidamente desmascarado antes que seus estragos não tenham mais volta.”

AQUECIMENTO GLOBAL”, “MUDANÇAS CLIMÁTICAS” E “CAOS AMBIENTAL” JUSTIFICANDO O FALSO “DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL”: A TEORIA DA TRÍADE


Por Ricardo Augusto Felicio e Daniela de Souza Onça


RESUMO: A cada ano que passa cresce o emprego de ideologias para manipular a opinião das pessoas. Em especial, o Brasil tornou-se o alvo principal do movimento militante ambiental que usa destes artifícios. Nestes termos, cada vez mais os cientistas céticos têm suas opiniões sublimadas pela mídia nacional e pelos órgãos de desenvolvimento da Ciência brasileiros. Tais táticas não têm conseguido calá-los e a todo momento as evidências mostram o quanto estão certos nas suas colocações. Só desta maneira é possível observar e realizar as análises que estão além da cortina de fumaça da área da Climatologia. Ao se avaliar profundamente a questão sob uma óptica sistêmica centralizada, foi possível verificar que três grandes pilares estão se consolidando para realizar uma “nova” economia de baixo carbono que tenta, a todo custo, desencorajar as economias tradicionais, mesmo que estas sejam mais baratas, mais eficientes e que causem menos miséria e problemas sociais, dentre eles, a perda de direitos civis e geração de burocracias infindáveis.


Falso ideal do “desenvolvimento sustentável”.

Crenças em ideologias.

Para o “aquecimento global” simplesmente falta à evidência de que os “gases de efeito estufa” de origem antropogênica (e somente estes!) causem o aquecimento do planeta.

Além disto, o “efeito estufa”, tão atribuído aos gases antropogênicos (esquecendo-se propositalmente do vapor d‟água) não procede porque simplesmente a atmosfera não é uma estufa, portanto, o conceito é ERRONEAMENTE utilizado.

São os fatores convectivos e advectivos que permitem que a superfície se esfrie, levando as temperaturas para uma situação confortável de amenidade “fria”.

Observa-se que o termo “mecanismo” sempre é levado nas pesquisas climáticas sérias, como uma idéia, um modelo de entendimento. Ele não é a realidade. Não existem máquinas na Natureza e muito menos a hipótese de consertá-las.

O próprio conceito de temperatura média global chega a ser assustador.

Os métodos de medição da temperatura são tão questionáveis para um determinado lugar, quanto mais dizer para todo o planeta.

Variabilidade natural do clima sempre foi a constância, ou seja, mudança permanente.

Os registros geológicos indicam que o clima pode mudar rapidamente, dentro de 20 a 40 anos de forma completamente natural.

Não se pode atribuir a mísera elevação do conceito fantasmagórico de temperatura global ao processo de industrialização.

Tietê que atravessa o estado de São Paulo e metade da Capital. Toda a poluição, esgoto e dejetos dos mais variados tipos o tornam um dos mais poluídos da Terra. Contudo, bastam cerca de 50km adiante para não se encontrar sequer um traço de todos esses elementos contaminantes. As águas correm límpidas e cristalinas, cheias de vida subaquática. De uma maneira ou de outra, a Natureza se encarrega de eliminar esses elementos poluidores.

O mesmo pode ser observado para o ar. Mesmo nos grandes centros urbanos, a maior parte do material em suspensão é de origem natural. Ele é elevado pela agitação das cidades, principalmente durante o desenvolvimento turbulento da camada limite urbana diurna (MACHADO, 2008). Salvo quando deposto por precipitação de grande volume, a maior parte dos compostos sofrem reação fotolítica causada pela radiação UV e suas moléculas são desmontadas em substâncias ou elementos mais simples.

Estas reações se apresentam em menor escala na troposfera e atingem sua plenitude na base da estratosfera. Também se deve ressaltar que a presença real de poluentes de origem antropogênica desaparece em diluições sucessivas pela atmosfera, de maneira que além de um raio de 200km das suas fontes, nada mais pode-se encontrar.

Se levarmos em conta toda a atividade humana, a superfície da Terra utilizada é inferior a 9%, incluindo em muito a agricultura e pasto, portanto, vegetação.

A maior parte da superfície do planeta é coberta pelos oceanos (cerca de 72%). Ao se comparar esse número com as cidades (0,05%), nota-se a diferença colossal de escala.

A ATUAÇÃO DA TRÍADE

No planeta Terra, uma exígua lâmina de superfície, cuja espessura vai de 10 quilômetros de profundidade até a base da estratosfera, em cerca de 20km de altitude, compõe-se o Estrato Geográfico, onde situa-se a Natureza apreendida pelo Homem.

A Tríade surge como uma imposição das grandes potências, como Estados Unidos da América, Inglaterra e Holanda, através da pressão de suas ONGs financiadas por governos. Ela é legitimada pela “ciência” que usará da mídia para disseminar sua ideologia. Desta maneira, a opinião pública será influenciada pelo que dizem tais pseudocientistas e jornalistas.

Aparentemente, o indivíduo acha que o clamor por mudanças surgiu em sua cabeça, mas na verdade ele foi impelido a achar que isto foi sua idéia. Tais evidências podem ser verificadas nas pesquisas de opinião pública. Algumas muito bem financiadas por bancos e ONGs, como é o caso do HSBC...

A Tríade vai definir o que comprar. Em outras palavras, as manufaturas, as bases da própria indústria e os produtos de alta tecnologia deverão ser utilizados, substituindo os convencionais. O caso mais gritante foi a troca dos CFCs pelos HCFCs, meta imposta pelo FMI pelo protocolo de Montreal. Quem não assinasse o protocolo não recebia financiamento e poderia sofrer diversas sanções econômicas, como as impostas a países como Irã e Iraque. Nestes termos, a Tríade domina todos os processos do sistema do país, exigindo pagamentos cada vez mais altos em forma de royalties pelas novas patentes...

“DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL” E MECANISMOS DE IMPLEMENTAÇÃO

Pela extensão da pesquisa, pretendeu-se apresentar apenas algumas das formas de como o “desenvolvimento sustentável” estenderá seus tentáculos. A implementação começa pela imposição da Tríade, com uma guerra ideológica profunda. Esta deixa marcas tão sinistras que o simples questionamento sobre sua existência execra o argüidor ao quinto inferno. Desta maneira, podemos observar alguns elementos que mostram como a ideologia já venceu em diversas frentes.

O caso mais intrigante é o do cidadão que recicla seu lixo dentro da sua casa. Ele gasta sua água para limpar embalagens. Separa os constituintes inorgânicos. Cede seu tempo de vida para trabalhar. Uma vez que tudo está pronto, ou ele coloca na porta da sua casa, em horário pré-determinado para um caminhão específico recolher este “produto”, ou pior, leva-o até uma central de beneficiamento, gastando seu carro e combustível na tarefa. Curiosamente, o cidadão não percebeu que ele trabalhou de graça em um processo produtivo capitalista. Ao contrário, fez isto de bom grado, voluntariamente, e ainda acreditou que “salvou o planeta”. Ele nem sequer se deu conta que uma indústria entrou na sua casa. Ele agora é um operário desta indústria e não recebe nada por isto.

“O movimento aquecimentista necessita ser devidamente desmascarado antes que seus estragos não tenham mais volta.”

Palavras-chave: Mudanças Climáticas. Teoria da Tríade. Cotidiano.

Não seja mais enganado pelos ambientalistas, ONGs e burocratas nacionais e internacionais, é muito importante que você leia este artigo completo em PDF aqui.


Um comentário:

VISITE A BIBLIOTECA DO SUBVERSIVO DO SÉCULO XXI