Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Nazismo Cristofóbico

Por Bruce Walker


Os sistemas totalitários são militantes cristofóbicos. Os comentários a alguns dos meus artigos sobre os perigos do materialismo ou a ignorância do ateísmo tentam provar que a religião é tão perigosa quanto o ateísmo repete o falso "fato" de que "Hitler era católico". Isso é totalmente falso. Além disso, todo o nazismo era viciosamente cristofóbico e Judeofóbico.

O artigo do meu Pensador americano de novembro de 2007 abrange algumas das evidências encontradas em livros antigos sobre o ódio que todos os nazistas sentiram em relação ao cristianismo. O meu livro, Swastika against the Cross: a guerra nazista contra o cristianismo, abrange muitas outras fontes documentais que revelam a perseguição nazista ao cristianismo e a guerra solitária do cristianismo contra o nazismo. Muitos escritores na época observaram que o cristianismo era a única força que resistia aos nazistas na Europa.

Na verdade, havia muitos livros sobre a perseguição nazista do cristianismo e o ódio à religião publicado antes da Segunda Guerra Mundial começaram com títulos como a perseguição nazista da Igreja Católica no Terceiro Reich e a perseguição nazista do cristianismo e a guerra contra Deus e o nazismo versus religião.

Centenas de autores escrevendo antes e durante a Segunda Guerra Mundial viram o nazismo e o cristianismo como inimigos mortais. Esses autores eram cristãos - tanto católicos como protestantes - e judeus e agnósticos. Eles estavam à direita e à esquerda. Eram franceses e alemães e poloneses e americanos e britânicos. A reescrita conveniente da história que inventa fora de todo o tecido a noção de que o cristianismo e o nazismo foram ligados de certa forma são totalmente contrários ao histórico histórico da época.

Mas foram os principais cristãos nazistas em qualquer sentido da palavra? Enfimamente, não. Considere primeiro o próprio Hitler. John Gunther observou, já em 1935, que "Hitler nasceu e criou como católico romano. Mas ele perdeu sua fé cedo e não atende nenhum serviço religioso de qualquer tipo [...] ... quando formou o seu governo, quase que imediatamente, ele começou um feroz guerra religiosa contra católicos, protestantes e judeus ".

Hitler antes dos nazistas chegarem ao poder descreveu-se a Martin Niemoller como "pagão ao núcleo". Hitler declarou: "A antiguidade era melhor do que os tempos modernos porque não conhecia o cristianismo e a sífilis". Em 1937, Goslin escreveu em seu livro sobre a igreja e afirma que "o próprio Hitler declarou abertamente a necessidade de fazer guerra ao cristianismo em sua autobiografia chamada Mein Kampf". No ano seguinte, Hitler disse: "[Oh] toda deformidade e atrofia do espírito e da alma nunca teriam surgido, exceto por essa cerimônia ridícula oriental, essa mania niveladora abominável, essa amaldiçoada universalidade do cristianismo".

Praticamente todos os outros líderes nazistas - Hess, Goering, Himmler, Goebbels, Rosenberg, von Shirach, Streicher e Bormann - expressaram um profundo desdém e um ódio pelo cristianismo. Isso foi traduzido em ação dentro do Terceiro Reich de muitas maneiras e em vários níveis. Todas as escolas católicas nas partes católicas da Alemanha estavam fechadas. Milhares de clérigos protestantes e católicos foram presos e enviados para campos de concentração.

Os pais foram notificados de que seus filhos não podiam receber nomes bíblicos ou nomes de mártires cristãos. O calendário foi paganizado sob os nazistas, removendo o cristianismo dele inteiramente. Os meninos foram mais ou menos obrigados a se juntar à Juventude Hitlerista, que se opôs violentamente ao cristianismo e que interrompeu os serviços da igreja e profanou símbolos religiosos. Seus membros cantavam canções com estas letras: "Que Cristo apodreça e a marcha da Juventude Hitler". A União Nacional de Estudantes Socialistas em 1935 declarou: "Nós descartamos não só as centenas de várias cristicidades, mas o próprio cristianismo [...] ... Mesmo os cristãos que têm a honrosa vontade de servir o povo - e há tal - devem ser combatidos ".

A oposição corajosa dos cristãos ao nazismo, e especialmente a perseguição nazista dos judeus, foi amplamente aplaudida por líderes judeus na época. Em 1934, o rabino Stephen Wise escreveu: "O hitlerismo desafia a civilização na medida em que é na verdade a substituição de um novo paganismo, o paganismo sobre o qual o cristianismo já triunfou, para o cristianismo em si [.] ... Agradeço a Deus que nos Estados Unidos e na Inglaterra acima de tudo e em outras terras também, as vozes dos cristãos foram ouvidas em protesto contra os indescritíveis erros do hitlerismo contra o povo judeu ".

Em 1938, o rabino Morris Lazaron escreveu: "Nunca na história, em todo mundo, o protestantismo se organizou tanto para defender e proteger os judeu. Mais líderes católicos do que nunca levantaram as vozes em condenação da fixação racial que os ditadores costumavam impor aos judeu [.] ... Nenhuma página gloriosa está sendo escrita na história cristã do que aquilo que o cristianismo está escrevendo na Alemanha hoje. O cristianismo ainda pode ser a pedra na qual a ditadura alemã se destruirá ".

Eu poderia continuar, por dezenas de páginas e centenas de citações, mas o histórico é bastante claro: os nazistas odiaram e temeram o cristianismo tanto quanto os regimes totalitários da história moderna. Os soviéticos, por sinal, odiaram e temeram judeus e judaísmo tanto quanto os nazistas fizeram. Essas duas grandes religiões se mostraram indigestíveis para todos os grandes males.

Fonte: artigo de 6 de fevereiro de 2018, aqui

2 comentários:

  1. Os cristãos devem se unir,e fim de papo! pois somos a maioria!

    ResponderExcluir
  2. Por ti venceremos os nossos inimigos; pelo teu nome pisaremos os que se levantam contra nós. Salmos 44:5

    ResponderExcluir

Comente! Boa parte dos conhecimentos surgiu dos questionamentos.