Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Anatomia da Crítica - Northrop Frye (resenha)

Declarações Preliminares e Agradecimentos

Por Northrop Frye

Este livro impôs-se ao meu arbítrio quando eu tentava escrever outra coisa, e provavelmente conserva os sinais da relutância com a qual grande parte dele foi redigida. Depois de concluir um estudo sobre William Blake (Fearful Symmetry, 1947),resolvi aplicar os princípios do simbolismo literário e da tipologia bíblica que eu aprendera com Blake a outro poeta, preferentemente a algum que houvesse retirado esses princípios das teorias críticas de seu tempo, em vez de elaborá-los ele próprio, como Blake fez.

Empreendi portanto um estudo da Faerie Queene, de Spenser, mas para descobrir apenas que em meu começo estava o meu fim. A introdução a Spenser tornou-se uma introdução à teoria da alegoria, e essa teoria aderiu obstinadamente a uma estrutura teórica muito maior. A base do argumento tornou-se mais e mais digressiva e cada vez menos histórica e spenseriana. Logo me vi emaranhado naquelas partes da crítica que se interessam por palavras tais como "mito", "símbolo", "ritual" e "arquétipo", e meus esforços para deslindar essas palavras, em vários artigos que publiquei, foram recebidos com interesse bastante para encorajar-me a prosseguir nesse caminho. Finalmente os aspectos teóricos e práticos da tarefa que eu me impusera separaram-se completamente. O que se apresenta aqui é pura teoria crítica; e é deliberada omissão de qualquer crítica específica, e até, em três dos quatro ensaios, de qualquer citação. Este livro me parece, segundo posso agora discernir, necessitar de um volume que o acompanhe, dedicado à crítica prática, uma espécie de morfologia do simbolismo literário.

Agradeço à J. S. Guggenheim Memorial Foundation uma bolsa (1950-1951) que me concedeu tempo e liberdade para cuidar de meu assunto proteico, na ocasião em que ambos lhe eram muitíssimo necessários.

Agradeço também à Turma de 1932 da Universidade de Princeton e ao Comitê do Programa Especial de Humanidades de Princeton, por proporcionar-me um prazo de trabalho muito animador, no curso do qual grande parte do presente livro adquiriu forma final. Este livro contém a essência das quatro preleções públicas que fiz em Princeton em março de 1954.

A "Introdução Polêmica" é uma versão revista de "The Function of Criticism at the Present Time" (A Função Atual da Critica), University of Toronto Quarterly, outubro de 1949, republicada em Our Sense of Identity, ed. Malcolm Ross, Toronto, 1954.

O primeiro ensaio é uma versão revista e aumentada de "Towards a Theory of Cultural History" (Para uma Teoria da História da Cultura), University of Toronto Quarterly, julho de 1953.

O segundo ensaia engloba o material de "Levels af Meaning in Literature" (Planos do Sentido em Literatura), Kenyon Review, primavera de 1950; de "Three Meanings of Symbolism" (Três Sentidos do Simbolismo), Yale French Studies n.O9 (1952); de "The Language of Poetry" (A Linguagem da Paesia), Explorations 4 (Toronto, 1955); e de "The Archetypes af Literature" (Os Arquétipos da Literatura), Kenyon Review, invernO' de 1951.

O terceiro ensaio contém o material de "The Argument of Comedy" (O Argumento da Comédia), English Institute Essays, 1948, Columbia University Press, 1949; de "Characterizatíon in Shakespearean Comedy" (A CaracterizaçãO' na Comédia de Shakespeare), Shakespeare Quarterly, julho de 1953; de "Comic Myth in Shakespeare" (O
Mito Cômico em Shakespeare), Transactions of the Royal Society of Canada (Secção 11) junho de 1952; e de "The N ature af Satire" (A Natureza da Sátira), University of Toronto Quarterly, outubro de 1944.

O quarto ensaio compreende o material de "Music itl Poetry" (A Música na Poesia), University of Toronto Quarterly, janeiro de 1942; de "A Conspectus of Dramatic Genres" (Vista Geral dos Gêneros Dramáticos), Kenyon Review, outono de 1951; de "The Four Forms af Prose Fiction" (As Quatro Formas da Ficção em Prosa), Hudson Review, inverno de 1950; e "The Myt11 as Information" (O Mito como Informação), Hudson Review, verão de 1954. Fico muito agradecida à gentileza dos editores dos
supramencionados periódicos, da Columbia Utliversity Presse da Royal Society of Catlada, por permitirem a republicação desse material. Também aproveitei algumas frases de outros artigos e resenhas de minha autoria, todos dos mesmos periódicos, quando me pareceram ajustar-se ao presente contexto.

Quanto a outras obrigações que devo, tudo o que pode ser dito aqui, e não é menos verdade por ser rotineiro, é que muitas das virtudes deste livro pertencem a outros; os erros de fato, de gasto, de lógica e proporção, embora coisas infelizes, estes são meus.

                                                                                                               N.F.

Victoria College

University of Toronto

Tradutor: Péricles Eugênio da Silva Ramos

Editora Cultrix, 1973.

Lançamento de Anatomia da Crítica, de Northrop Frye

Nenhum comentário:

Postar um comentário

VISITE A BIBLIOTECA DO SUBVERSIVO DO SÉCULO XXI