Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Por que as nações fracassam? As origens do poder da propriedade e da pobreza


Por Anon,

É quase que uma obrigação, fazer com que livros, como esse, com um contexto histórico-político-econômico se tornem Best-sellers, também, aqui no Brasil. E não foi por acaso que, durante 15 anos, Daron Acemoglu, professor de economia (MIT) e James Robinson, professor de administração (Harvard University) se uniram para organizar esse elaborado trabalho, repleto de dados comparativos históricos e econômicos entre vários países, no intuito de responder o porquê de tanta disparidade entre as nações. Por que alguns países são tão ricos? Por que vários outros são tão pobres? Por que as nações fracassam?  Seriam as instituições? Instituições políticas e econômicas extrativistas, ou inclusivas?

Estados Unidos e México, por exemplo, tão próximos geograficamente, mas com uma gritante diferença econômica. Os Estados Unidos com suas instituições com uma ampla distribuição de direitos políticos que garantem igualdade de direitos na obtenção de recursos e empréstimos aos inventores, empreendedores e às ideias. Por outro lado, um México com suas instituições viciadas numa política de compadres, monopolística e prejudicial. É impossível, por minha parte, não fazer essa mesma comparação com o Brasil que, infelizmente, segue as mesmas receitas dos países mais pobres do mundo...

O caminho não é tirar dos ricos para dar aos pobres e igualar todos por baixo, mas sim, acertadamente, mudar a mentalidade vigente, e que instituições voltadas para o livre comércio e respeito à propriedade privada possam tirar as cancelas protecionistas e burocráticas que impedem o desenvolvimento de cada um. Assim, seremos todos ricos de acordo com os nossos próprios esforços e méritos.

Bem amigos! vou ficando por aqui, pois ainda estou nas primeiras páginas deste planeado livro, com a esperança de aprender muito mais! Anon, SSXXI 


Algum tempo depois, apó ter lido o livro

 

Por Anon,

 

E aí, pessoal do Mises Brasil?!  Eu li o livro “Por que as nações fracassam” dos autores Acemoglu e Robinson, e sinceramente, apesar de não concordar com as suas teorias das instituições econômicas e políticas extrativistas e inclusivas, embora relevantes, porém muito estatistas para o meu gosto, notei também que os autores são rasos ou bastantes superficiais em se tratado de história econômica. Talvez para adequar propositalmente a história às suas teorias, isso não seria desonestidade intelectual?

 

Mesmo assim, eu, já inspirado nas teorias libertárias, cujos autores são bem mais fiéis à história-econômica, ia lendo com circunspecção a tal obra de Acemoglu e Robinson. Mas, definitivamente, fiquei estupefato quando cheguei às páginas 352 e 353 nas quais são relatados alguns fatos históricos relacionados com o Brasil, que parecem ter sido pesquisados no Google vermelho baseados em revisionismo marxista, ou em propagandas estatais da época, tamanhos absurdos! Que não entrarei em maiores detalhes, aqui, neste comentário. Também gostaria que Acemoglu e Robinson se retratassem e revisassem a próxima eventual reedição dessa obra “Por que as nações fracassam”; pois, mesmo dentro de suas teorias, ao chamarem o Brasil de democrático e de ter instituições políticas e econômicas inclusivas, para mim, através dessas duas páginas, a dupla conseguiu colocar fogo em toda sua obra e em 15 anos de trabalho.

 

Em se tratando de economia, sou um tanto leigo no assunto. Sendo assim, fiz uma busca nas páginas do Instituto Mises para ver se encontrava algum artigo que refutasse, criticasse ou mesmo abonasse a obra de Acemoglu e Robinson, e nada encontrei.

 

Até mesmo li uma resenha do Rodrigo Constantino, mas me parece que ele fez sua resenha sem nem mesmo ter lido a obra.

 

Espero que os economistas do Mises Brasil não deixem passar está relevante oportunidade para contestar, dentro da argumentação misesiana, essa obra que nos demonstra um caráter tão estatal e que, a meu ver, se revela antilibertária. Pois o antigo ditado popular “quem se cala, consente!” está sempre aí para nos alertar!

 

Espero pelo menos que Leandro Roque traduza este artigo-resenha de Walter E.Block sobre a obra de Acemoglu e Robinson, aqui, para todos os leitores do Mises Brasil.

 

Fico por aqui, até mais e obrigado. Anon, SSXXI

 

Enquanto isso, Rothbard deve estar rolando na cova!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

VISITE A BIBLIOTECA DO SUBVERSIVO DO SÉCULO XXI