Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Olho por olho: uma das melhores ideias da história

The Rational Bible: Exodus – Dennis Pragers
Inspirada por seus valores judaico-cristãos, a civilização ocidental ajudou a difundir a noção de direitos humanos universais e de liberdade individual, consagrando o Estado de Direito e a dignidade de cada indivíduo. O conceito de cidadania ocidental parte do pressuposto de que as leis são legitimadas pelo consentimento de seus cidadãos e não pela imposição de um poder tirânico. A cultura ocidental também abriu espaço para o direito de livre expressão e crítica, que culminando em discordâncias e debates francos, resultaram em avanços nunca vistos. Embora a civilização ocidental tenha sido a maior promotora das ideias de liberdade individual, democracia, igualdade humana e direitos humanos universais legados por Deus, a esquerda frequentemente investe contra esses padrões morais, artísticos e culturais, sendo particularmente crítica quanto à tradição judaico-cristã ocidental, que lançou as bases para importantes preceitos como a imoralidade da escravidão e a igualdade das mulheres. O fato da esquerda rejeitar o impacto positivo da civilização ocidental é particularmente verdadeiro na América. “Sem a América, o mundo sofreria de muito mais males - como genocídio e escravidão totalitária - do que agora”, escreve o autor Dennis Prager. No entanto, para a esquerda, as falhas morais na história americana são enormes e, em função dessa noção distorcida da realidade, seu legado é minimizado ou ignorado. A Bíblia tem sido o cerne da civilização ocidental por milênios, moldando seus valores morais, códigos legais e padrões sociais. Nenhum outro livro na história da civilização ocidental foi mais influente. Os valores morais e sociais consagrados na Bíblia inspiraram a crescente aceitação no Ocidente da noção de direitos universais inerentes ao ser humano. Mesmo as antigas leis que, numa análise superficial, nos parecem draconianas, como a lei de Deuteronômio segundo a qual os pais de um filho rebelde podem levá-lo aos anciãos da cidade para julgamento e potencial apedrejamento, foram um passo importantíssimo para os direitos humanos, pois neste caso havia a imposição do devido processo legal e a proibição do infanticídio parental. Até a criação dessa lei, o infanticídio era uma prática comum e a relação de pais para com filhos era a de propriedade. O chefe de uma família romana possuía direitos absolutos sobre a vida e a morte das crianças da casa. A Lex Talionis bíblica destinava-se a proteger os cidadãos, impondo proporcionalidade sobre ofensas, e nosso ordenamento jurídico está intrinsecamente ligado a esse conceito de proporcionalidade na punição. Em suma, a civilização ocidental promoveu as ideias que transformaram o mundo para melhor. Agora tem gente que descarta tudo isso e ainda chama essa desconstrução de progresso.

Tradução: Renan Poço - Revisão: Yuri Mayal

Biblioteca Subversiva: Dicas de livros

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Boa parte dos conhecimentos surgiu dos questionamentos.