Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Alguns mitos econômicos desmitificados por Duncan Whitmore

Mitos Econômicos # 1 - Preços Crescentes = Recuperação Econômica

Nota do Autor: Esta é a primeira de uma série de postagens curtas que procurarão refutar crenças econômicas populares, mas erradas.

Um dos indicadores positivos da nossa chamada recuperação econômica, não só na mídia, mas também por nossos senhores e senhores monetários à frente dos bancos centrais, é a ideia de que os preços em alta são um sinal de recuperação econômica. Essa crença equivocada é parte de um mito mais amplo que vê a economia como pouco mais do que um número gigante - um número que, se subir, significa que as coisas estão boas e melhorando, e se descer significa que a situação está ruim e piorando.

Teoricamente, o preço de mercado para qualquer bem nunca é "bom" ou "ruim"; é simplesmente uma função da oferta e demanda por esse bem. A única maneira em que podemos dizer que o preço de mercado é "bom" é que ambas as partes de uma transação estão satisfeitas com esse preço e, assim, ambas receberam um aumento no bem-estar como resultado. Leia mais aqui

***
Mitos Econômicos # 2 - O Consumo Acelera o Crescimento

A crença de que o progresso econômico é impulsionado pelo consumo é baseada no tipo de mal-entendido que poderia ser feito apenas por intelectuais - o produto da teorização que é completamente separada do senso comum que todos os outros possuem.

O mal-entendido baseia-se em uma conflação do desejo de consumir, por um lado, com o ato de consumo, por outro - ou, em outras palavras, confunde motivo com causa .

Todo progresso econômico é motivado pelo desejo de alcançar o consumo - em outras palavras, para satisfazer o maior número possível de nossos fins. Sem qualquer desejo de consumir ou satisfazer quaisquer fins, nunca haveria qualquer atividade econômica. Assim, quanto maior o nosso desejo de consumo, maiores serão os nossos esforços para acelerar o progresso econômico.

No entanto, o progresso econômico não é causado ou trazido à existência pelo ato de consumo. Pelo contrário, o ato de consumo é o resultado do progresso econômico (isto é, do aumento da produção). Consumir de fato é o que devemos fazer para nos recompensar quando produzimos alguma coisa - não é o que fazemos para começar a produção em primeiro lugar. De fato, como tantas vezes acontece com realidades ocultas por mitos, essa verdade é intuitiva - você não pode consumir um bem a menos que tenha sido trazido à existência pela primeira vez pela produção. Continue lendo aqui

***

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Boa parte dos conhecimentos surgiu dos questionamentos.