Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

terça-feira, 12 de junho de 2018

O protecionismo desmascarado em um diálogo entre um economista e um consumidor

Um consumidor e um economista falam sobre o protecionismo
A experiência me obriga a começar o texto abaixo com uma declaração sobre política. Descobri ao longo dos anos que, quando vou a um lugar que entra em conflito com uma posição tomada pelo partido no poder, geralmente sinto alguns nervos. Assim, ao longo dos últimos anos dediquei muito menos tempo aqui do que anteriormente a tópicos diferentes daqueles diretamente relacionados ao negócio de investir. Dito isso, alguns dos tópicos que tendem a tocar os nervos políticos - como as tarifas - estão de fato relacionados ao (impacto) o negócio de investir.

Falando de tarifas (protecionismo), este, em termos do recuo que recebo, me fascina mais. Com todo o respeito, parece que as opiniões de alguns leitores sobre os prós e contras do protecionismo mudam à medida que o partido no poder muda. Ou seja, durante a administração anterior, se eu recebesse qualquer retrocesso em relação aos meus artigos (e havia muitos! ) Condenando o (s) ato (s) protecionista (es) da esquerda, enquanto as pessoas à direita concordavam e aparentavam entenda, minha posição. Hoje em dia, nossos leitores da esquerda parecem de repente entender os males do protecionismo, enquanto alguns da direita, do nada, tornam-se protecionistas apaixonados...

Quanto a mim, francamente, eu não dou a mínima para o protecionismo político, vou continuar correndo o risco de ir lá de vez em quando , pois é tão destrutivo em termos de economia e mercados ...

******************************************************************************

Conversa entre um consumidor americano patriota (C) e um economista não capturado por um partido político ou grupo de interesse especial (E):

C: Estamos sendo totalmente mortos no comércio há anos!

E: Como assim?

C: Nosso déficit comercial é de US $ 800 bilhões por ano!

E: Bem, não que isso importe, mas isso seria apenas em mercadorias. Na verdade, temos um excedente comercial anual de US $ 200 bilhões em serviços. Em 2017, o volume de bens foi de US $ 811 bilhões e US $ 243 bilhões em serviços. Então, estamos realmente falando de um déficit comercial de cerca de US $ 540 bilhões, e isso é com o mundo inteiro, não com um país a propósito. E você está dizendo que é ruim?

C: Ah, tudo bem, eu continuo ouvindo US $ 800 bilhões, mas acho que eles estão deixando de fora os serviços. E você está brincando comigo! Isso é horrível!

E: como assim?

C: Estamos comprando mais toneladas de outros países do que eles compram de nós!

E: Então você está dizendo que, em um determinado ano, acabamos recebendo mais coisas do que acabamos exportando para outros países?

C: Isso mesmo.

E: Mas isso não é bom para nós?

C: Diga o que? Isso é louco!

E: Realmente? Pense nisso: se você e eu estivéssemos trocando coisas entre nós e você se afastasse, digamos, com mais US $ 500 em coisas do que eu, você não seria o vencedor, grande momento?

C: Sim, mas não tem como isso acontecer. Você não concordaria com uma transação tão desigual.

E: eu concordo Mas no meu cenário eu seria o país estrangeiro e você seria os EUA. Quero dizer, de acordo com você, acabamos com US $ 540 bilhões em mais coisas e serviços que eles produzem do que o que produzimos. Você segue?

C: Não! Claro que não! Nós compramos essas coisas com o nosso dinheiro. E gastamos meio trilhão a mais por ano com as coisas deles do que com as nossas!

E: Então eles estão apenas tomando nosso dinheiro? Não nossos bens e serviços?

C: Exatamente!

E: Então, eles valorizam tanto o dólar americano? O que na terra eles fazem com eles?

C: Eles compram o que diabos eles querem?

E: De quem?

C: De quem eles querem, mas claramente não de nós!

E: Então, outros estrangeiros estão dispostos a vender material para outros estrangeiros em troca de dólares americanos? Por que eles fariam isso?

C: Então eles poderiam comprar outras coisas, é claro!

E: De quem?

C: De quem diabos eles quiserem! Aonde você quer chegar?

E: Então,  quando é que o dinheiro acaba aqui de novo?

C: Hã?

E: Estamos enviando dólares para eles, não estamos?

C: Então!

E: Dólares americanos são simplesmente reclamações contra coisas dos EUA. Ninguém os pegaria se não houvesse algo aqui que eles ou alguém pretendessem fazer negócios. O dinheiro tem que vir e fazer o círculo completo. Pense nisso...

C: Mas eles não apenas convertem nossos dólares em sua própria moeda e os gastam lá?

E: Claro, mas quem converteria esses dólares para eles se não houvesse algo que eles quisessem dos EUA, ou de outra pessoa que quisesse alguma coisa dos EUA?

C: Ok, eu entendo isso, mas o enorme déficit comercial. Como você explica isso?

E: Honestamente, eu poderia apenas dizer-lhe que é uma das maiores mentiras já contadas para o povo de uma nação, e, francamente, isso seria uma declaração legítima. Mas, na verdade, tem a ver com contabilidade.

C: Como assim?

E: Bem, mais uma vez, o dinheiro tem que voltar. E se nem tudo está voltando na forma de compras de bens e serviços (que aparece na "conta corrente"), o resto volta na forma de investimentos; o que é contabilizado na "conta de capital", que, a propósito, mostra um superávit anual que praticamente iguala o déficit comercial (conta corrente), virtualmente tem que.

C: Então você está dizendo que os estrangeiros investem mais nos EUA do que nos países estrangeiros.

E: Exatamente!

C: Em que eles estão investindo?

E: O nome dele: as ações em sua conta de aposentadoria, títulos do Tesouro dos EUA (que financiam nosso governo e mantêm as taxas de juros razoáveis), títulos corporativos, propriedades, negócios privados. Essencialmente, trazendo esses dólares de volta ao nosso sistema para serem utilizados de muitas maneiras.

C: Interessante.

E: E imagine como seria ruim se esses US $ 540 bilhões parassem de fluir todos os anos para as ações do seu portfólio, para o tesouro, para financiar negócios nos EUA, etc. Quero dizer, sua carteira sofreria, as taxas de juros subiriam, nós d ter menos investimento de capital em geral, yada, yada, yada ...

C: Então, por que todo esse material tarifário, e todo mundo dizendo que estamos sendo mortos há anos?

E: Essa é a questão meu amigo! E eu vou deixar essa para você refletir. Basta perguntar a si mesmo quem se beneficia com as tarifas do aço, por exemplo? Qual indústria dos EUA? Quais grupos da indústria, etc.? Quão politicamente poderoso poderia ser essa indústria e seus grupos associados? E assim por diante...

C: Uau! Entendi! Parece tão simples a maneira como você expôs isso. Eu não posso acreditar que eu não tinha descoberto por mim mesmo.

E: não se preocupe. Aposto que a maioria das pessoas que você conhece se sente do jeito que você fez no começo da nossa conversa, não é?

Conclusão:

Pessoal, parece que estamos ligados a uma mentalidade de nós e deles; e em algumas áreas isso pode ser um debate legítimo. Mas quando se trata de comércio, não é! Quando duas partes se reúnem e trocam livremente, nenhuma das duas, em nenhuma circunstância, perde; Cada um recebe o que procura ou não há comércio.

Os países que aplicam medidas protecionistas estão simplesmente abusando de seus próprios consumidores, enquanto os enganam pensando que estão ajudando-os.

Aqueles aqui que atualmente pressionam os EUA a aplicar tarifas a seus parceiros comerciais reclamam que estamos abertos ao livre comércio há anos, enquanto outros países têm forçado todo tipo de restrições comerciais a nós. Mas isso é completamente retrógrado; outros países têm aplicado medidas protecionistas em seu próprio povo, enquanto temos mais liberdade para comprar do mundo exterior a preços externos.

Perguntem-se, no final, quem está melhor? Quero dizer, onde você prefere morar, aqui ou em outro lugar ? Será que nosso mercado mais aberto é a razão pela qual somos mais prósperos?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Boa parte dos conhecimentos surgiu dos questionamentos.