Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

sábado, 27 de junho de 2015

A Austrália tem consultor climático que não deixa o governo do país cair nas mentiras ambientalistas da ONU

Maurice Newman: medos climáticos servem de ardis para achatar as soberanias nacionais

Por Luis Dufaur

O principal assessor econômico do primeiro-ministro australiano Tony Abbott afirmou em artigo publicado no influente jornal The Australian que a ONU manipula os dados sobre as mudanças climáticas para consolidar seu poder em nível internacional, noticiou o G1.

“A mudança climática é a isca” para obter o verdadeiro objetivo da ONU, que é “concentrar a autoridade política”, declarou Maurice Newman, presidente do conselho consultivo do primeiro-ministro.

O fato é pode ser constatado nas campanhas do IPCC (Intergovernmental Painel on Climate Change), órgão político da ONU encarregado de espalhar toda espécie de alarmes com disfarce científico e que está no centro de graves escândalos de toda espécie.

“É um segredo bem guardado, mas foi descoberto, e é que estavam errados 95% dos modelos climáticos que pretendiam demonstrar a existência de uma relação entre as emissões humanas de CO2 e a mudança climática”, escreveu Newman.

O artigo coincide com a visita à Austrália de Christina Figueres, ativista do alarmismo aquecimentista e chefe da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança Climática.

Newman explicou que o aceno com catástrofes apocalípticas de tipo climático provocadas pela civilização humana não tem nada a ver com fatos ou com a lógica. Trata-se de impor uma nova ordem mundial sob o controle das Nações Unidas.” É contrário ao capitalismo e à liberdade e faz do catastrofismo ambiental um tema para chegar ao seu objetivo”, diz ele, referindo-se ao comunismo travestido de verde após a derrocada da União Soviética.

Figueres chegou com a missão denunciada: obter um acordo na Cúpula de Paris no final deste ano para reduzir as emissões de CO2 com base nos exageros e falsos pânicos extremistas sobre a mudança climática.

A Austrália usa centrais térmicas de combustível fóssil e possui uma das maiores taxas de emissão per capita de gases de efeito estufa, como o CO2, o gás da vida. Mas o terrorismo ambientalista demonizou esse gás.

O país também recusa as extravagâncias de essência dirigista e socialista que espalha um terror irracional contra um ‘aquecimento global’ inexistente ou inexpressivo segundo a boa ciência.

Fonte: IPCO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

VISITE A BIBLIOTECA DO SUBVERSIVO DO SÉCULO XXI