Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Morreu Chris Squire, fundador dos Yes

Baixista e compositor tinha 67 anos. Foi o único músico que participou em todos os álbuns de estúdio da histórica banda britânica.

Já se sabia que os Yes não iriam contar com o seu músico fundador na nova digressão anunciada para Novembro nos EUA. O próprio Chris Squire tinha feito este aviso na página oficial da banda, no passado mês de Maio, altura em que revelou sofrer de leucemia e ter iniciado um tratamento contra a doença. Mas o desfecho trágico foi mais rápido do que poderiam esperar os fãs desta banda que marcou a história do rock progressivo a partir do final da década de 1960: Chris Squire morreu na noite de sábado em Phoenix, no Arizona, aos 67 anos.

A notícia foi divulgada, em primeiro lugar, pelo músico Geoff Downes através do Twitter: “Totalmente devastado e sem palavras para comunicar a triste notícia da morte do meu querido amigo, companheiro e inspiração, Chris Squire”, publicou o teclista, que tocou com os Yes no álbum Drama (1980).

A seguir veio o comunicado dos Yes, citado por várias agências: "É com o coração pesado e uma tristeza insuportável que informamos do falecimento do nosso querido amigo e co-fundador do Yes. Chris morreu em paz na noite [de sábado] em Phoenix, nos braços da sua mulher Scotty”.

Nascido a 4 de Março de 1948 a noroeste de Londres, filho de um taxista, Chris Squire iniciou-se na música cantando num coro infantil. Dedicou-se depois à guitarra (baixo) e quando tinha vinte anos conheceu o vocalista Jon Anderson, com quem fundou os Yes. Logo em 1969, a banda edita o seu primeiro álbum, com o seu nome na capa, Yes.

E Chris Squire não mais a abandonaria, tendo sido o único músico que participou em todas as gravações de estúdio. The Yes Album e Fragile (ambos de 1971), Close To The Edge (1972), Tales From Topographic Oceans (1973) e Going For The One (1977) constituíram os momentos altos dessa década de criação, que viriam a marcar um estilo no chamado rock sinfónico ou progressivo britânico.

Os seus companheiros da banda lembraram agora, na sequência da sua morte, que, além de baixista, Squire era também compositor e letrista, tendo escrito “algumas das canções mais entranháveis dos Yes”. E acrescentam que ele "foi o eixo e a cola que manteve o grupo unido durante todos estes anos”.

Com uma música e um estilo que eram classificados simultaneamente como melódicos, dinâmicos e agressivos, Chris Squire influenciou inúmeros baixistas em todo o mundo. Em paralelo com a sua carreira nos Yes, Squire gravou também um álbum a solo, Fish Out Of Water, em 1975, e participou noutros com músicos amigos, como Rick Wakeman ou Steve Hackett (guitarrista dos “rivais” Genesis).


Fonte: Público

Nenhum comentário:

Postar um comentário

VISITE A BIBLIOTECA DO SUBVERSIVO DO SÉCULO XXI