Seja bem vindo, amigo!

Seja bem-vindo, amigo! Seja você também mais um subversivo! Não se entregue e nem se integre às mentiras do governo e nem da mídia! Seja livre, siga o seu instinto de liberdade! Laissez faire! Amém!

Translate

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Arquipélago Gulag - Aleksandr Solzhenitsyn


Postado por Natasha Petrov

Arquipélago Gulag é provavelmente a mais forte e mais influente obra de como funcionavam os campos de concentração e de trabalho forçado na antiga União Soviética, nos tempos de Stalin. Escrito por Soljenítsin, o livro é uma narrativa sobre fatos que foram presenciados pelo autor, quando ele foi prisioneiro em um destes campos. Escrito entre 1962 e 1973, a obra foi publicada no ocidente no ano de 1973 e circulou dentro da União soviética apenas escondida, até a sua publicação oficial no ano de 1980."GULag" é um acrônimo em russo para o termo: "Direção Principal (ou Administração) dos Campos de Trabalho Corretivo" ("Glavnoye Upravleniye Ispravitelno-trudovykh Lagerey"), um nome burocrático para este sistema de campos de concentração.O título original em russo do livro era "Arkhipelag GULag". A palavra arquipélago relaciona-se ao sistema de campos de trabalho forçado espalhados por toda a União Soviética como uma vasta corrente de ilhas, conhecidas apenas por quem as fosse destinado visitá-las

Apesar desses 38 anos de quase indescritível sofrimento nos longínquos campos da Sibéria, Soljenitsin disse, também, que o “pior do comunismo não é a opressão mas a mentira”. Entendemos, porque embora não submetidos a trabalho escravo, sofrimentos físicos ou psíquicos, a mentira, para nós, dói, machuca. Dói a história revista ou inventada que se fabricou, em relação a um período crucial da vida de nosso país, sendo transmitida a nossos jovens Pois foi com a mentira e valendo-se de técnicas psicológicas de indução, que as esquerdas criaram uma verdadeira Mitologia Histórica para nosso País.


GULAG – Glavnoe Upravlenie Lagerei (Administração Central Dos Campos)
 

Fonte: Café História

Nenhum comentário:

Postar um comentário

VISITE A BIBLIOTECA DO SUBVERSIVO DO SÉCULO XXI